Jovens construtores da cidade – Cidadania e participação no município do Funchal

Autores

  • João Dionisio Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa
  • Maria João Hortas Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa https://orcid.org/0000-0002-3159-8362
  • Joana Campos Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.25757/invep.v12i2.325

Palavras-chave:

Juventude(s), Políticas locais de juventude, Plano municipal de juventude, cidadania, Participação

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo central os jovens do Funchal, as suas representações acerca da juventude, da sua participação ativa e das políticas municipais de juventude. Mobilizamos uma análise de natureza mista, combinando técnicas de natureza qualitativa e quantitativa. Metodologicamente a pesquisa iniciou-se com a análise de documentos, do âmbito local ao internacional, relativos às políticas de participação jovem. Num segundo momento, foram inquiridos os jovens do Funchal, através da aplicação de um inquérito por questionário, que contou com 1259 respostas. A informação recolhida permitiu a realização de estatística simples e também a análise de conteúdo das respostas às questões abertas. Os resultados destacam a importância dos processos de participação jovem na construção da cidade e na formulação de políticas públicas para a juventude. É também valorizado o envolvimento de todos os agentes na cocriação de uma estratégia que reflita uma visão partilhada para a cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

João Dionisio, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

Formação inicial em Medicina, Mestre em Educação Social e Intervenção Comunitária pela Escola Superior de Educação da Politécnica de Lisboa, com a dissertação de mestrado intitulada "Jovens construtores de cidades", um estudo sobre a participação dos jovens da cidade do Funchal, e sobre políticas municipais de juventude da cidade. Áreas de interesse: Juventude, Participação, Cidadania, Políticas de Juventude.

Maria João Hortas, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

Doutora em Geografia Humana. Docente nda Escola Superior de Educação da Politécnica de Lisboa, na área científica das Ciências Sociais. Leciona na formação inicial de professores e educadores de infância e na formação de educadores sociais. Investigadora do Centro de Estudos Geográficos, IGOT, Universidade de Lisboa, desenvolvendo projetos nacionais e internacionais na área da Geografia Humana, Didática das Ciências Sociais, Imigração e integração socioeducativa de crianças e jovens de origem imigrante.

Joana Campos, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

Formação em Sociologia, docente da Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Lisboa, nos cursos de Animação Sociocultural, Mediação Artística e Cultural e Educação Social e Intervenção Comunitária. Colaboradora do centro de investigação CIES-ISCTE, tem participado em projectos de investigação na área da Sociologia da Educação e  das Profissões. Áreas de interesse de pesquisa: Educação, Profissões, Trabalho Social e Intervenção socioeducativa e sociocultural.

Referências

Benedicto, J. (2011). Transições juvenis para a cidadania: uma análise empírica das identidades cidadãs. Jovens e Rumos. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais (Ed.), 353- 373

Biesta, G. (2016). Democracia, ciudadanía y educación: de la socialización a la subjetivización. Foro de Educación, 14 (20), 21-34

Bronfenbrenner, U. (1992). Ecological theory system. En R. Vasta (Ed.). SIx theories of child development: revised formulations and current issues (pp.187-249). Londres: Jessica Kingsley

Campos, R. (2010). Juventude e visualidade no mundo contemporâneo. Sociologia: Problemas e Práticas, n.º 63, 2010, pp. 113-137

Conselho da Europa. (2003). Carta Europeia Revista da Participação dos e das Jovens na Vida Local e Regional. Congresso de Autoridades Locais e Regionais do Conselho da Europa, Estrasburgo. Consultado em https://tinyurl.com/y2pfdp7z

Conselho da Europa. (2018). Trabalho com jovens. Recomendação CM/REC (2017)4 e memorando explicativo. Centro de juventude de Lisboa do Instituto Português do Desporto e Juventude

Crowley, A., & Moxon, D. (2017). New and innovative forms of youth participation in decision making processes. Conselho da Europa. Consultado em: https://tinyurl.com/y8t56l9z

Dínamo – Associação de Dinamização Sociocultural. (2015). Faz-Te ouvir: Manual sobre a Carta Europeia Revista da Participação dos e das Jovens na Vida Local e Regional. Sintra: Autor

Direção Regional de Estatística da Madeira. (2018a). Estatísticas Demográficas da Região Autónoma da Madeira. Consultado a 31 de março de 2020 em http://estatistica.madeira.gov.pt

Direção Regional de Estatística da Madeira. (2018b). Madeira em Números. Consultado a 31 de março de 2020 em http://estatistica.madeira.gov.pt

Direção Regional de Estatística da Madeira. (2020). Série Retrospetiva das Estatísticas de Educação da RAM 1999/2000 - 2018/2019. Consultado a 01 de julho de 2020 em http://estatistica.madeira.gov.pt

Dupouey, V. (2018). What will be the next ladder of youth participation?. Coyote Magazine 27. Parceria UE-Conselho da Europa no dominio da Juventude. Consultado em https://tinyurl.com/y5d68yym

Ferreira, V. S. (2002). Modernised Transitions and Disadvantage Policies: Netherlands, Portugal, Ireland and Migrant Youth in Germany. In Andreas Walther, Barbara Stauber et al. (orgs.), Misleading Trajectories. Integration Policies for Young Adults in Europe?, Opladen, Leske + Budrich, pp. 94-115

Ferreira, V. S. (2017). Um olhar sobre os jovens como sujeitos de políticas e sociologias públicas. In Laranjeira, Denise Helena P.; Barone, Rosa Elisa M. (Eds.), Juventude e Trabalho: Desafios no Mundo Contemporâneo, Salvador: Edufba, pp. 385-388

Ferreira, V. S., Lobo, M.C., Rowland, J. e Sanches, E.,(2017). Geração Milénio? Retrato social e político. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais

Federação Nacional das Associações Juvenis. (2012). Declaração de Braga sobre Políticas autárquicas de Juventude. Aprovada no Encontro Nacional: Juventude, Europa e Poder Local, Braga. Consultado em https://tinyurl.com/y3jrzdvq

Federação Nacional das Associações Juvenis. (2017). Manifesto Autárquico: uma proposta do Movimento Associativo Juvenil. Consultado em https://tinyurl.com/y58gps4j

Federação Nacional das Associações Juvenis. (2019). Plano Nacional de Políticas Locais de Juventude. Consultado em https://tinyurl.com/y2sws4oj

Gozdzik-Ormel, Z. (2008). Have your say! Manual on the revised European Charter on the participation of young people in local and regional life. Estrasburgo: Conselho da Europa

Hart, R. (1992). Children´s participation from tokenism to citizenship. Florença: Centro de Investigação Innocenti da UNICEF.

Hoskins, B., & Mascherini, M. (2009). Measuring active citizenship through the development of a composite indicator. Soc Indic Res, 90, 459-488

Instituto de Emprego da Madeira. (2020). Boletim mensal por concelhos: Indicadores do mercado de emprego por Concelhos. Consultado a 1 de julho de 2020 em https://www.iem.madeira.gov.pt/

Instituto Português do Desporto e Juventude. (2020). Lisboa+21 – Políticas e Programas de Juventude numa Perspetiva Global. Lisboa: Centro de Juventude de Lisboa do IPDJ

Jodelet, D. (1989). Folies et représentations sociales. Paris: PUF, p. 398

Lawy, R., & Biesta, G. (2006). Citizenship-as-practice: the educational implications of an inclusive and relational understanding of citizenship. British Journal of Education studies

Lavchyan, Z., & Williamson, H. (2019). Youth Policy Essentials. Parceria UE-Conselho da Europa no domínio da Juventude. Consultado em https://tinyurl.com/yy724s95

Lister, R. (2003). Young people talk about citizenship: empirical perspectives on theoretical and political debates. Citizenship Studies, 7 (2): 235-253

Moscovici, S. (1981). The phenomenon of social representations. In R. M. Farr & S. Moscovici (Eds.), Social representations (pp. 15-31). Cambridge: Cambridge University Press

Nico, M. (2018). Plano Nacional da Juventude. Relatório parcial: áreas e propostas. Instituto Português do Desporto e Juventude. Consultado em https://tinyurl.com/yxe3z3lu

Novella, A.M., Llena, A., Noguera, E., Gómez, M., Morata, T., Trilla, J., Agudo, I., & Cifre-Mas, J.(2014). Participación Infantil y construcción de la ciudadanía. Barcelona: Graó

Organização das Nações Unidas. (2019). Declaração de Lisboa +21. Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude e Fórum da Juventude Lisboa + 21, Lisboa, 2019. Consultada em https://tinyurl.com/y323haly

Pais, J.M.(1990). A construção sociológica da juventude—alguns contributos. Análise Social, vol. XXV (105-106), 1990 (1.°, 2.°), 139-165

Pais, J.M. (1996). Levantamento bibliográfico de pesquisas sobre a juventude portuguesa – tradições e mudanças (1985-1995). Sociologia: Problemas e Práticas. Nº21, 1996, pp.197-221

Pais, J.M.(2005). Jovens e cidadania. Sociologia: Problemas e Práticas, n.º 49, 2005, pp. 53-70

Pappámikail, L. (2010). Juventude(s), autonomia e Sociologia. Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, Vol. XX, 2010, 395-410

Siurala, L. (2006). A European framework for youth policy. Estrasburgo: Council of Europe

Tomás, C. (2011). Há muitos mundos no mundo: Cosmopolitismo, participação e direitos da criança. Porto: Edições Afrontamento

Vieira, M. M., & Ferreira, V. S. (2018), Juventude(s) do Local ao Nacional – Que Intervenção?. Lisboa: Observatório Permanente da Juventude, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Instituto Português do Desporto e Juventude

Downloads

Publicado

28-09-2022

Como Citar

Dionisio, J., Hortas, M. J., & Campos, J. (2022). Jovens construtores da cidade – Cidadania e participação no município do Funchal. Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 12(2), 146–173. https://doi.org/10.25757/invep.v12i2.325

Edição

Secção

Artigos