https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/issue/feed Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional 2022-09-28T15:07:02+00:00 Cristina Cruz cristinac@eselx.ipl.pt Open Journal Systems <p>A revista <em>Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional</em> (INVEP) é uma publicação do Centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais (CIED) da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Lisboa. Os principais objetivos da revista são: (a) constituir-se como fórum de debate científico e académico para investigadores, professores e educadores; (b) divulgar trabalho científico realizado no âmbito da educação; (c) aproximar o trabalho de investigação (empírico e teórico) às prática educativas e (d) garantir a divulgação de informação científica plural e baseada em rigorosos princípios éticos.</p><p>A revista é aberta a todos os investigadores e docentes nacionais e internacionais.</p><p>Fundada em 2000, a INVEP foi publicada até 2010 em formato impresso. A partir de 2011, a revista aderiu ao formato online e nesta data iniciou uma nova numeração correspondente a um novo ISSN 2182-1372, pautando-se pelo cumprimento de elevados critérios de qualidade, incluindo a revisão por pares <em>double blind</em>. Tendo como ambição constituir-se como uma revista de referência no que respeita à divulgação do conhecimento na área da educação. Em 2015, a submissão de artigos é realizada através de plataforma online <strong><em>Open Journal Systems</em></strong> (<strong>OJS)</strong> (http://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/index).</p><p>Em 2016, a revista foi integrada na base de dados SciELO e na <em>SciELO Citation Index da Web of Science</em>, aguardando-se o fator de impacto de 2016 e 2017, em 2018. Igualmente, em 2016 a revista foi abrigada no Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal (RCAAP). Em 2018, foi alojada na plataforma ibero-americano REBID e no Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Latindex.</p><p>Os indicadores da revista são monitorizados pelo <em>Google Analitics </em>desde novembro de 2016.</p> https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/297 Crenças de Aprendizagem, Avaliação e Retenção Escolar dos Futuros Professores de 1.º Ciclo do Ensino Básico 2022-01-04T20:35:04+00:00 Natalie Nóbrega Santos natalie_nobrega_santos@hotmail.com Vera Monteiro veram@ispa.pt <p>O objetivo deste estudo foi caracterizar e explorar as relações entre as crenças de aprendizagem, avaliação e retenção escolar dos futuros professores. Responderam a um questionário 103 estudantes inscritos em cursos de ensino do 1.º ciclo do ensino básico (99% do sexo feminino, entre 19 e 49 anos). Os resultados indicaram que a maioria dos futuros professores apresentaram crenças mais positivas em relação ao modelo de aprendizagem construtivista do que ao transmissivo e não têm uma opinião formada sobre a avaliação sumativa ou formativa. Apresentaram também crenças negativas sobre os efeitos da retenção no desenvolvimento socioafetivo dos alunos, não tendo uma conceção definida sobre os seus efeitos no desempenho académico, mas acreditando que é melhor quando realizada no início da escolaridade. As crenças face à retenção escolar estão relacionadas positivamente com as crenças de avaliação sumativa. É discutida a importância da avaliação das crenças dos futuros professores ao longo da sua formação inicial.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Natalie Nóbrega Santos, Vera Monteiro https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/307 Do tempo da produção aos tempos da educação. Para uma análise da subjugação do educativo ao imediato e ao utilitário. 2022-03-28T16:10:18+00:00 Joana Vaz Ferreira joanavazferreira@sapo.pt Hugo Monteiro hugomonteiro@ese.ipp.pt <p>Em tempos de tecnocracia, as questões associadas ao Direito à Educação têm sido preteridas em favor de um determinismo económico-financeiro, predominante na sociedade hegemonizada pelo neoliberalismo. Espelho disto mesmo são as orientações educativas provindas de organizações transnacionais, como a Comissão Europeia ou a OCDE, centralizando as prioridades da ação educativa em questões como o empreendedorismo, a empregabilidade e as lógicas empresariais. O tempo da produção, definido pelo pragmatismo regulador que invade e coloniza o tempo humano da relação, ganha uma nova centralidade nos discursos e práticas educativas. O presente artigo pretende definir e analisar os efeitos do que designamos por <em>imperialismo do útil</em>, sublinhando a importância de devolver às práticas e aos discursos educacionais um sentido crítico, humanizador e socialmente justo.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Joana Vaz Ferreira, Hugo Monteiro https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/334 A literacia em contexto de guerra: atividade de escrita desenvolvida no Ensino Básico em Portugal 2022-05-02T21:25:06+00:00 Iranita Maria de Almeida Sá iranitasa@hotmail.com Fernando Azevedo fraga@ie.uminho.pt Andreia Figueiredo andreia.ic.figueiredo@gmail.com Liliana Ribeiro lilianaguimaraesribeiro@gmail.com Mariana Monteiro marianarm1999@gmail.com <p>O artigo descreve e analisa uma prática de literacia autêntica realizada com estudantes do 6º ano de escolaridade do Ensino Básico, numa escola urbana portuguesa, com um propósito de compromisso cívico democraticamente participativo. A atividade, decorrente de uma decisão tomada pelos estudantes, consistiu na redação de uma carta, endereçada a cidadãos da Ucrânia, seguindo os procedimentos do ciclo de escrita, acompanhada de um desenho. A carta tinha como objetivo acompanhar os bens de primeira necessidade doados a cidadãos da Ucrânia, em contexto de guerra, e partilhar uma mensagem positiva. O desenho funcionava como reforço e visava assegurar a receção e compreensão da mensagem escrita.</p> <p>Os produtos alcançados possibilitaram, aos estudantes, perceber a relevância da literacia enquanto prática transformadora e, simultaneamente, desenvolver competências sociais e de participação democrática.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Iranita Maria de Almeida Sá, Fernando Azevedo, Andreia Figueiredo, Liliana Ribeiro, Mariana Monteiro https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/312 Pequenos leitores e grandes desafios no ensino fundamental i: contribuições teóricas para uma prática ressignificada 2022-01-05T14:50:37+00:00 Adriana Morais de Sousa Baldoino Adriana adrianamsb0102@gmail.com Fani Miranda Tabak fani.tabak@uftm.edu.br <p>O presente artigo discute questões relacionadas à recepção do texto literário por parte de leitores no Ensino Fundamental I, bem como os desafios presentes nesta etapa. Tais desafios muitas vezes requerem da escola uma alteração dos percursos traçados e das estratégias utilizadas visando a ressignificação das suas práticas. Considerando que algumas abordagens do texto literário em sala de aula muitas vezes prejudicam a interação, o diálogo da criança com o texto, consequentemente prejudicando o exercício da construção de sentidos para a leitura, este artigo discute ainda questões que contribuam com a elaboração de um projeto de leitura viável que favoreça o ressignificar do trabalho com o texto literário e a recepção deste texto com leitores em formação. Sendo o texto literário espaço de interlocução, de diálogo, de troca de ideias faz-se necessária a superação de práticas que engessem o texto literário com propostas que fecham as múltiplas interpretações sugeridas por ele.</p> <p>Palavras-chave: Texto literário; Recepção; Formação de leitores; Ressignificação de práticas</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Adriana Morais de Sousa Baldoino Adriana, Fani Miranda Tabak https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/308 Podem as coleções de árvores ser museus vivos para a educação ao ar livre? Reflexões sobre um caso de estudo com coleções de árvores de nogueiras-pecã e de pistácios 2021-12-29T12:02:18+00:00 M. Alexandra Abreu Lima alexandra.a.abreu@gmail.com <p>Os educadores ambientais reconhecem a importância de aproximar os jovens à natureza, embora os sistemas educacionais atuais operem dentro de estruturas que precisam de melhorar essa ligação. Este artigo contribui para a crescente literatura sobre a forma como os espaços ao ar livre podem ser usados e valorizados como parte de práticas de aprendizagem para promover a ligação dos jovens à natureza. Estes são tópicos cada vez mais relevantes devido a fenómenos de transtorno de déficit da natureza (Louv, 2005) e disparidade de conhecimento sobre as plantas (Hiatt <em>et al</em>., 2021), que desafiam os sistemas de educação a superá-los. Este estudo descreve iniciativas de aprendizagem ao ar livre sobre coleções de árvores de Pecan [<em>Carya illinoensis</em> (Wangenh.) K. Koch] e Pistachio (<em>Pistacia vera</em> L.) e combina elementos de abordagens de investigação qualitativa e quantitativa, segundo a Investigação de Métodos Mistos (Johnson <em>et al.</em>, 2007). É discutido o valor das visitas a coleções de árvores como uma estratégia para aumentar a ligação dos jovens à natureza e enriquecer os currículos escolares.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 M. Alexandra Abreu Lima https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/326 O espaço entre o museu e a escola: experiências poéticoeducativas suscitando reflexões acerca da instituição museológica 2022-05-12T11:24:07+00:00 Carolina Fogaça Tenotti c.fogacatenotti@gmail.com Guilherme Susin Sirtoli guisusinsirtoli@gmail.com Ursula Rosa da Silva ursilva@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O presente trabalho tem como foco a discussão acerca da relação entre museu e escola, suscitadas através da poética-artística. Para tal, analisa-se a proposição de Luis Camnitzer, </span><em><span style="font-weight: 400;">El Museo es una Escuela</span></em><span style="font-weight: 400;">, que, desde 2009, permeia a fachada de museus ao redor do globo. </span><span style="font-weight: 400;">Alinhavado à proposição de Camnitzer, aproximamo-nos junto ao pensamento freireano sobre a construção do conhecimento a partir do diálogo, concebida de forma multilateral e libertária. Freire valoriza o envolvimento do espectador e sua vivência, como também concebe Wilder (2009), apresentando um método não hierarquizado em instituições museológicas, onde as experiências particulares são estimuladas e fazem parte da discussão. Inúmeras mudanças e esforços ocorreram nas concepções educacionais brasileiras nas últimas décadas, em prol de uma sociedade mais humana e sensível. Assim, concebe-se que o museu e a escola, bem como a sociedade e a educação não estão descolados uns dos outros, mas atuam juntos em prol de uma sociedade mais humana, priorizando o diálogo e as experiências do sensível.</span></p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Carolina Fogaça Tenotti, Guilherme Susin Sirtoli, Ursula Rosa da Silva https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/325 Jovens construtores da cidade – Cidadania e participação no município do Funchal 2022-05-12T11:26:46+00:00 João Dionisio kikoff238@gmail.com Maria João Hortas mjhortas@eselx.ipl.pt Joana Campos jcampos@eselx.ipl.pt <p>Este artigo tem como objeto de estudo central os jovens do Funchal, as suas representações acerca da juventude, da sua participação ativa e das políticas municipais de juventude. Mobilizamos uma análise de natureza mista, combinando técnicas de natureza qualitativa e quantitativa. Metodologicamente a pesquisa iniciou-se com a análise de documentos, do âmbito local ao internacional, relativos às políticas de participação jovem. Num segundo momento, foram inquiridos os jovens do Funchal, através da aplicação de um inquérito por questionário, que contou com 1259 respostas. A informação recolhida permitiu a realização de estatística simples e também a análise de conteúdo das respostas às questões abertas. Os resultados destacam a importância dos processos de participação jovem na construção da cidade e na formulação de políticas públicas para a juventude. É também valorizado o envolvimento de todos os agentes na cocriação de uma estratégia que reflita uma visão partilhada para a cidade.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 João Dionisio, Maria João Hortas, Joana Campos https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/335 Identificação de competências de autopercepção para profissionais no desenvolvimento de projetos artísticos inclusivos 2022-07-27T09:34:44+00:00 Josep Maria Sanahuja Gavaldà josep.sanahuja@uab.cat Antonio Pérez Romero antonio.perez.romero@uab.cat Isabel Pizarro Madureira isabelmo@eselx.ipl.pt Monika Gigerl Gigerl@phst.at Susana Rojas Pernia rojass@unican.es Rozita Petrinska Labudovikj contact@educationforall.org.mk <p style="font-weight: 400;">A geração de espaços de participação torna-se um elemento chave para o desenvolvimento de processos de inclusão social de pessoas com deficiência. As experiências com a arte são ambientes em que as pessoas interagem com os seus pares, são aceites e reconhecidas, promovendo processos de identidade e pertença à comunidade. No entanto, são necessários profissionais bem treinados que sejam capazes de criar contextos artísticos verdadeiramente inclusivos onde não haja espaço para a marginalização. O objectivo do artigo é identificar as competências auto-percebidas dos profissionais das artes e instituições sócio-educativas para desenvolver projectos artísticos inclusivos; e determinar as suas necessidades de formação a fim de as implementar. Utilizando uma metodologia mista, e através de um questionário, entrevista e grupo focal, 388 profissionais das artes e instituições sócio-educativas de cinco países europeus participaram no estudo. Os resultados mostram que, embora os profissionais se sintam competentes para desenvolver projectos artísticos inclusivos, necessitam de formação que lhes permita aprofundar a sua compreensão do que se entende por projectos artísticos inclusivos, bem como metodologias inclusivas em que nenhuma pessoa se sinta excluída. Para os profissionais, a criação de ambientes de colaboração torna-se um elemento de sucesso para a sua implementação.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Josep Maria Sanahuja Gavaldà, Antonio Pérez Romero, Isabel Pizarro Madureira, Monika Gigerl , Susana Rojas Pernia, Rozita Petrinska Labudovikj https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/332 O Projeto Musical “Na AFID eu sou Feliz!” Escutar a voz das pessoas com deficiência 2022-05-05T12:21:40+00:00 Inês Cardoso Lindeza ines.lindeza@hotmail.com Ana Isabel Pereira anapereira@fcsh.unl.pt Ana Gama anagama@eselx.ipl.pt Abel Arez aarez@eselx.ipl.pt <p>No âmbito da Música na Comunidade, os projetos de intervenção devem ser um motor de desenvolvimento pessoal e mudança social, envolvendo o “fazer” música de forma colaborativa através de atos de co-criação entre o facilitador e os participantes. Em Portugal, projetos deste teor são ainda pouco divulgados. Este artigo tem como objetivo apresentar o processo desenvolvido num projeto musical com pessoas com deficiência e analisar como foi escutada a voz dos participantes. Enquadrado na Unidade Curricular de Projeto Musical de Intervenção Comunitária II da licenciatura em Música a Comunidade da ESELx, o projeto “Na AFID eu sou Feliz!” foi implementado entre 5 de novembro de 2020 e 27 de maio de 2021 na Fundação AFID Diferença, instituída pela&nbsp;Associação Nacional de Famílias para a Integração de Pessoa Deficiente (AFID). Para delineamento e concretização desta intervenção foi adotada a grelha conceptual da Metodologia de Projeto. O processo culminou na apresentação de três objetos artísticos: um CD com criações musicais originais, um espetáculo e uma instalação visual. Ao longo deste projeto, constatou-se a importância da escuta e da intervenção ativa de todos os agentes. É urgente divulgar e refletir sobre o papel deste tipo de projetos para que os processos de transformação possam ter lugar em mais comunidades e sejam significativos em termos do bem-estar máximo das pessoas.</p> <p>Palavras-chave: Música na Comunidade, Pessoas com deficiência, Arte Participativa</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Inês Cardoso Lindeza, Ana Isabel Pereira, Ana Gama, Abel Arez https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/331 Vozes cruzadas. Interação e aprendizagens intergeracionais em tempo de pandemia. 2022-05-10T14:58:40+00:00 Carla Cibele Figueiredo carla.cibele@ese.ips.pt Ana Alcântara ana.alcantara@ese.ips.pt Filipe Fialho filipe.fialho@ese.ips.pt Joana Matos joana.isabel.matos@ese.ips.pt <p>O projeto idoSOS – intertwined voices, do Centro de Investigação em Educação e Formação da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE/IPS), decorreu entre setembro de 2020 e outubro de 2021 no âmbito da criação de respostas a problemáticas decorrentes da pandemia originada pelo SARS-Cov-2. Teve como objetivo investigar estratégias intergeracionais eficazes para minorar o isolamento social da população idosa, valorizá-la e reforçar a sua capacidade de enfrentar situações de emergência, procurou-se criar vias para o diálogo e encontro entre jovens e pessoas idosas que resultassem em processos empáticos de apoio e aprendizagem mútua. Este artigo foca-se nas metodologias e estratégias adotadas, apresentando-se também os resultados do projeto.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Carla Cibele Figueiredo, Ana Alcântara, Filipe Fialho, Joana Matos https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/288 "Quando eu olhei, eu cheguei a me emocionar” - Experimentações com a pedagogia do dispositivo e o cinema de arquivo. 2021-11-05T10:44:00+00:00 Flavio de Moraes Junior fj.moraes3@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo pretende refletir sobre o processo de desenvolvimento e produção da Oficina Cinema de Arquivo, realizado entre 2020 e 2021, que contou com a participação de 20 estudantes da Rede municipal de educação do Rio de Janeiro, Brasil. A oficina propõe aos participantes a elaboração de um filme-ensaio, elaborado a partir da narração e do material de arquivo dos próprios educandos. Debateremos questões teóricas em torno do escopo da oficina e analisaremos sua produção a partir do curta-metragem realizado pela estudante Juliana Lopes, de 14 anos.</span></p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Flavio de Moraes Junior https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/342 Editorial 2022-09-21T15:37:25+00:00 Antónia Estrela antoniaestrela@eselx.ipl.pt Cristina Cruz cristinac@eselx.ipl.pt <p>O presente número da revista “Da Investigação às Práticas”, seguindo a tendência das últimas publicações, reforça a importância da reflexão sobre o papel dos cidadãos no mundo atual, em que as transformações sociais, culturais e económicas se tornam evidentes e impactam de forma importante o quotidiano. Compreender e atuar sobre estas alterações implicam uma capacidade de leitura do real para a qual a educação, nas suas diversas formas e áreas, contribui de forma fundamental.</p> 2022-09-28T00:00:00+00:00 Direitos de Autor (c) 2022 Antónia Estrela; Cristina Cruz