Contextos, práticas e conceções em torno da Mediação Artística e Cultural: resultados das pesquisa desenvolvida por futuros profissionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25757/invep.v14i2.363

Palavras-chave:

Mediação Artística e Cultural, Profissionalização dos Mediadores Artísticos e Culturais, Formação em Mediação Artística e Cultural

Resumo

No presente texto procura-se contribuir para a discussão em torno da profissionalização e profissionalidade dos agentes da mediação artística e cultural (MAC). O pano de fundo para essa discussão traça-se com apoio das referências teóricas sobre profissões, a par dos estudos sobre mediadores artísticos e culturais. A análise centra-se no processo formativo desenvolvido no âmbito da licenciatura em MAC da ESELx-IPL, concretamente na Unidade Curricular, Profissionalidade e MAC, metodologicamente organizada em dois planos. Num primeiro, faz-se a apresentação das intencionalidades curriculares da UC, no quadro dos objetivos formativos do curso. Num segundo plano, analisa-se exploratoriamente os trabalhos de pesquisa realizados pelos estudantes, relativos a 4 anos letivos (entre 2018/19 e 2021/22). A análise desenvolvida permite conhecer as questões e problemáticas de pesquisa escolhidas pelos estudantes, a par do alargamento do conhecimento sobre os perfis e as práticas profissionais em MAC, assim como os contextos profissionais. A análise exploratória realizada permitiu uma aproximação às questões relacionadas com o reconhecimento e afirmação da MAC e dos (seus) profissionais, em diversas dimensões, concluindo-se sobre a relevância de ser continuada a prática investigativa neste âmbito, designadamente na formação destes profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Joana Campos, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

Docente na Escola Superior de Educação de Lisboa (IPL) desde 2009, nos cursos de licenciatura em Animação Sociocultural, Mediação Artística e Cultural e Educação Básica e no mestrado em Educação Social e Intervenção Comunitária. Com desenvolvimento de investigação na área da sociologia da educação e das profissões, maioritariamente desenvolvida no CIES-ISCTE.

Referências

Abbott, A. (1988). The system of professions. An essay on the division of expert labor. University of Chicago Press

Abbott, A. (1991). The order of professionalization. An empirical analysis. Work and occupations, 4, 355-384.

Bellini, A. & Maestripieri, L. (2018). Professions Within, Between and Beyond. Varieties of Professionalism in a Globalising World. Cambio, 8 (16), 5-14.

Bourdoncle, R. (1993). La professionnalisation des enseignants: les limites d’un mythe, Revue Française de Pédagogie, 105, 183-109.

Carapinheiro, G. & Rodrigues, M.L. (1998). Profissões: protagonismos e estratégias. In J.M. Viegas & A.F. Costa (orgs.), Portugal, que Modernidade?. Celta (147-164).

Carvalho, T., Santiago, R & Caria, T. (eds.) (2012). Grupos profissionais, profissionalismo e sociedade do conhecimento. Tendências, problemas e perspectivas. Edições Afrontamento.

Cruz, C. B., Vieira, N., & Vohlgemuth, L. (2021). Degree in Artistic and Cultural Mediation (ESELx – IPL): a critical analysis on the role of the mediator and mediation process in the Portuguese contexto, Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 11(2), 118-137

Estrela, T. (2014). Velhas e novas profissionalidades, velhos e novos profissionalismos: tensões, paradoxos, progressos e retrocessos, Investigar em Educação, 2, 5-30.

Evetts, J. (2003). The sociological analysis of professionalism: occupational change in the modern world, International Sociology, 18(2), 395-415.

Evetts, J. (2006). Short note: The sociology of professional groups: New directions. Current Sociology, 54(1), 133-143.

Evetts, J. (2011). A new professionalism? Challenges and opportunities. Current Sociology, 59, 406-422

Funck, E. (2012). Professional Archetype Change: The Effects of Restricted Professional Autonomy. Professions and Professionalism, 2(2), 334-351.

Gomes, R. & Martinho,T. (2009). Trabalho e Qualificação nas Actividades Culturais. OAC.

Gonçalves, C.M. (2008). Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento, Sociologia, 7/8, 177-223

Lipsky, M. (1971). Street-Level Bureaucracy and the Analysis of Urban Reform. Urban Affairs Review, 6, 391-409.

Martinho, T (2013) Mediadores culturais em Portugal: perfis e trajetórias de um novo grupo ocupacional, Análise Social, 207, 422-444

Martinho, T. (2011). Mediação Cultural – Alguns dos seus Agentes. Tese de doutoramento. ISCTE, https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/3514

Maryse, P. (2015). Médiation culturelle au musée: essai de théorisation d’un champ d’intervention professionnelle en pleine émergence. ATPS, 8

Mörsch, C., & Holland, A. (2015) Time for cultural mediation. Retrieved from https://www.kultur-vermittlung.ch/zeit-fuer-vermittlung/index.html

Parding, K. Andrea Bellini, Lara Maestripieri (2021) Editorial: Heterogeneity Among Professions and Professionals, Professions & Professionalism, 11(1), 1-8.

Rodrigues, M.L (2012). Profissões. Lições e Ensaios. Almedina.

Rodrigues, M.L. (1997). Sociologia das profissões. Celta.

Svensson, L. (2015). Occupations and professionalism in Art and Culture, Professions & Professionalism, 5(2), 1-14.

Vohlgemuth, L., Campos, J., Martins, C., Gama, A., Dias, A., Hortas, M. J., & Vieira, N. (2017). Quelles médiations dans les formations offertes par l’ESELx : l’ASC et ses frontières? L’animation Socioculturelle: Quels Rapports à La Médiation ? - ISIAT.

Wilensky, H. (1964). The professionalization of everyone?, American Journal of Sociology, 70, 137-158.

Downloads

Publicado

24-01-2024

Como Citar

Campos, J. (2024). Contextos, práticas e conceções em torno da Mediação Artística e Cultural: resultados das pesquisa desenvolvida por futuros profissionais. Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 14(2), e-363. https://doi.org/10.25757/invep.v14i2.363