Crescer com o Risco: Comportamentos das crianças e de supervisão do adulto em situações de brincadeiras arriscadas, em contexto de Jardim de Infância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25757/invep.v11i2.240

Resumo

Na sociedade atual, as crianças também brincam, mas brincam de forma diferente. O aparecimento de novas tecnologias, a inexistência de espaço livre para brincar, a diminuição de autonomia e mobilidade são alguns dos fatores que têm vindo a conduzir a uma diminuição do tempo de jogo livre na vida das crianças (Neto & Lopes, 2008).

Inserindo-se numa investigação mais vasta, levada a cabo no âmbito da Prática Profissional Supervisionada do Mestrado em Educação Pré-Escolar da Escola Superior de Educação de Lisboa, sobre as brincadeiras arriscadas em idade pré-escolar e em específico sobre as suas potencialidades para o desenvolvimento integral da criança, o presente estudo tem como objetivos (a) identificar os comportamentos das crianças em situações de brincadeiras arriscadas e (b) identificar os comportamentos de supervisão do adulto em situações de brincadeiras arriscadas.

Para dar resposta aos objetivos delineados, enveredou-se pela realização de um estudo de caso, de natureza qualitativa ou interpretativa, recorrendo-se a diversas técnicas de recolha de dados – observação direta participante e observação indireta, designadamente, entrevistas e focus group apoiadas em recursos audiovisuais, que permitiram dar voz aos intervenientes diretos na ação (crianças, profissionais de educação e famílias).

Os dados recolhidos revelam a existência de uma propensão natural deste grupo de crianças para brincar ao ar livre e de se envolver em brincadeiras arriscadas. Foi igualmente observado no grupo uma diferença de comportamentos entre sexos no que toca a esta tipologia de brincadeiras.  De forma geral, os rapazes tinham mais comportamentos de risco e aderiam mais a brincadeiras arriscadas do que as raparigas, que tinham mais tendência para apontar, comentar e olhar. Também foi visível a presença de comentários de supervisão, tanto por parte de crianças como de adultos, que intensificavam o medo das crianças e acabavam por impedir a sua ação.

Palavras-chave: Brincadeiras arriscadas; Segurança; Supervisão; Espaços interiores e exteriores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Joana Reis, Escola Superior de Educação de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

- Licenciatura em Educação Básica;

- Mestrado em Educação Pré-Escolar.

 

Escola: Escola Superior de Educação de Lisboa 

Referências

Aires, L. (2011). Paradigma qualitativo e práticas de investigação educacional. Consultado em http://hdl.handle.net/10400.2/2028

Alonso, L. & Roldão, M. (2005). Ser professor do 1.º ciclo: construindo a profissão. Coimbra: Edições Almedina.

Amado, J. (Coord.) (2013). Manual de investigação qualitativa em educação. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Associação de Profissionais de Educação de Infância (2011). Carta de princípios para uma ética profissional. Consultado em http://apei.pt/edicoes/cei/index.php?ide=1028&sort=2011

Ball, D. (2002). Playgrounds – Risks, benefits and choices. London: Health and Safety Executive (HSE).

Bilton, H., Bento, G. & Dias, G. (2017). Brincar ao ar livre – oportunidades de desenvolvimento e de aprendizagem fora de portas. Porto: Porto Editora.

Bento, M. G. (2013). Brincar e pisar o risco. Cadernos de Educação de Infância, 98, 18-21.

Bento, G. (2015). Infância e espaços exteriores – perspetivas sociais e educativas na atualidade. Investigar em Educação, 4, 127-140.

Bento, G. (2016). Valorizando o espaço exterior e inovando práticas pedagógicas em educação de infância. Revista Iberoamericana de Educación, 72, 85-104.

Bento, M. G. P. (2017). Análise das perceções de risco em relação ao brincar num grupo de educadores de infância. Revista Brasileira de Educação, 22(69), pp. 385-403.

Bogdan, R. & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Brussoni, M., Olsen, L., Pike, I. & Sleet, D. (2012). Risky play and children’s safety: balancing priorities for optimal cjild development. Environmental Research and Public Health, 9(9), 3134-3148.

Brussoni, M., Ishikawa, T., Brunelle, S. & Herrington, S. (2017). Landscapes for play: effects of an intervention to promote nature-based risky play in early childhood centres. Journal of Environmental Psychology, 45, 139-150.

Christensen, P., & Mikkelsen, M. (2008). Jumping off and being careful: children’s strategies of risk management in everyday life. Sociology of Health & Illness, 30(1), 1-19.

Cordovil, R., Barreiros, J. & Araújo, D. (2007). Riscos, constrangimentos e affordances: Uma perspetiva de desenvolvimento. In R. Cordovil, J. Barreiros & D. Araújo (Eds.). Desenvolvimento motor da criança (pp. 155-166). Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana.

Cordovil, R. & Barreiros, J. (2014). Desenvolvimento motor na infância. Lisboa: Faculdade Motricidade Humana.

Cotrufo, T. & Bares, J. M. (2018). O cérebro e as emoções. Sentir, pensar, decidir. Lisboa: Atlântico Press.

Decreto-Lei n.º 203/2015 de 17 de setembro. Diário da República n.º 182, 1.ª Série. Ministério da Economia, Lisboa.

Erickson, D. & Ernest, J. (2011). The real benefits of nature play every day. NACC Newsletter, 97-100.

Ferreira, M. & Tomás, C. (2016). “Já podemos ir brincar?" - A construção social da criança como aluno/a no jardim de infância. In I. Cortesão et al. (Orgs.). Travessias e Travessuras nos Estudos da Criança. Atas do III Simpósio LusoBrasileiro em Estudos da Criança (pp. 445-455). Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti.

Gallahue, D. L. & Donnelly, F. C. (2008). Educação física desenvolvimentista para todas as crianças (4.ª ed.). São Paulo: Phorte Editora.

Gallahue, D. L. & Ozmun, J. C. (2006). Undestanding motor development (6.ª ed.). New York: McGraw-Hill.

Garcia, L. & Quek, F. (1997). Qualitative research in information systems: time to be subjective?. In A. S. Lee, J. Liebenau & J. I. (Eds.), Degross, Information systemns and qualitative research (pp.444-465). London: Chapman & Hall.

Gill, T. (2007). No fear growing up in a risk averse society. London: Calouste Gulbenkian Foundation.

Graue, M. E. & Walsh, D. J. (2003). Investigação etnográfica com crianças: Teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Granjo, P. (2004). Há uma cultura do risco? Colóquio Quatro Olhares Sobre a Cultura, Barreiro.

Harper, N. (2017). Outdoor risky play and healthy child development in the shadow of the “risk society”: A forest and nature school perspective. Child & Youth Services, 38(4), 318-334.

Herrington, S. & Lesmeister, C. (2006). The design of landscapes at child-care centres: Seven cs. Landscape Research, 31(1), 63-82.

Little, H. (2010, november). Finding the balance: Early Childhood practitioners’ views on risk, challenge and safety in outdoor play settings. Comunicação apresentada no AARE International Education Research Conference, University of Melbourne, Austrália.

Little, H., & Eager, D. (2010). Risk, challenge and safety: implications for play quality and playground design. European Early Childhood Education Research Journal, 18(4), 497-513.

Little, H., Sandseter, E. & Wyver, S. (2012). Early Childhood Teachers’ Beliefs about Children’s Risky Play in Australia and Norway. Contemporary Issues in Early Childhood, 13(4), 300-316.

Little, H. & Wyver, S. (2008). Outdoor play: does avoiding the risks reduce the benefits?. Australian Journal of Early Childhood, 33(2), 33-40.

Louv, R. (2016). A última criança na natureza. São Paulo: Aquariana.

Máximo-Esteves, L. (2008). Visão panorâmica da investigação-acção. Porto: Porto Editora.

Morrongiello, B.A.& Dawber, T. (1998). Toddlers’ and mothers’ behaviors in an injury-risk situation: implications for sex differences in childhood injuries. Journal of Applied Developmental Psychology, 19(4), 625-639.

Morrongiello, B.A., Walpole, B. & Lasenby, J. (2007). Understanding children’s injury-risk behavior: Wearing safety gear can lead to increased risk taking. Accident Analysis and Prevention, 39(3), 619-23.

Neto, C. (1995). Motricidade e jogo na infância. Rio de Janeiro: Editora Sprint.

Neto, C. (1997). Tempo & espaço de jogo para a criança: rotinas e mudanças sociais. In C. Neto (Ed.), O Jogo e o Desenvolvimento da Criança (pp.10-22). Lisboa: Edições FMH.

Neto, C. (2005). A mobilidade do corpo na infância e desenvolvimento urbano: um paradoxo da sociedade moderna. In D. Rodrigues & C. Neto, O corpo que (des)conhecemos (pp.15-30). Lisboa: Edições FMH.

Neto, C. (2006). Actividade Física e Saúde: as Políticas para a Infância. Boletim do IAC, 82, 1-4.

Neto, C. (2015a, 25 de julho). Estamos a criar crianças totós, de uma imaturidade inacreditável. Observador.

Neto, C. (2015b, 12 de setembro). Estamos a criar uma sociedade de cativeiro para as crianças. Jornal i.

Neto (2016a). Crianças criativas, crescimento saudável [Filme]. Portugal: Skip.

Neto (2016b). Os pais e o medo de deixar arriscar [Filme]. Portugal: Skip.

Neto (2016c). A escola e os seus métodos [Filme]. Portugal: Skip.

Neto (2018). Conversas observador: Libertem as crianças. Consultado a 13 de dezembro em https://observador.pt/eventos/conversas-observador-libertem-as-criancas/

Neto (2020). Libertem as crianças – a urgência de brincar e ser ativo. Lisboa: Contraponto.

Neto, C. & Lopes, F. (2018). Brincar em todo o lado. Lisboa: Câmara Municipal de Cascais e Associação de Profissionais de Educação de Infância.

Oliveira, F. I. & Rodrigues, S. T. (2006). Affordances: a relação entre agente e ambiente. Ciências & Cognição, 9 , 120-130.

Peres, L. (1994). Condutas motrices em la infância y adolescência. Madrid.

Post, J. & Hohmann, M. (2011). Educação de bebés em infantários: Cuidados e primeiras aprendizagens (S. Baía, Trad.) (4.ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Rodrigues, L. (2005). Development and validation of the AHEMD-SR (Affordances In The Home Environment For Motor Development – Self Report) (Dissertação de doutoramento, Texas A&M University, Texas). Consultada em https://www.researchgate.net/publication/26898958_Development_and_validation_of_the_AHEMDSR_Affordances_in_the_Home_Environment_for_Motor_Development-Self_Report

Sandseter, E. B. (2007a). Categorising risky play – How can we identify risk-taking in children’s play? European Early Childhool Education Research Journal, 15, 237-252.

Sandseter, E. (2007b). Risky play among four and five year-old children in preschool. vision into practice. Making Quality a Reality in the Lives of Young People, 248-256.

Sandseter, E. (2009). Affordances for risky play in preschool: the importance of features in the play environment. Early Childhood Education Journal, 36, 439-446.

Sandseter, E. B. (2010). Scaryfunny – A qualitative study of rishk play amoung preschool children. (Doutoramento). Norwegian University of Science and Technology - Faculty of Social Sciences and Technology Management, Trondheim.

Sandseter, E. B. & Kennairm L. E. (2011). Children’s risky play fron na evolutionary perspective: The anti-phobic effets of thrilling experiences. Evolutionary Psychology, 9, 257-284.

Sarmento, M. J. (2003). As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: M. Sarmento, & A. B. Cerisara (Orgs.), Crianças e miúdos, perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (pp. 9-34). Porto: ASA.

Sarmento, T., Ferreira, F. I. & Madeira, R. (Orgs.) (2017). Brincar e aprender na infância. Porto: Porto Editora.

Stephenson, A. (2003). Physical risk-taking: dangerous or endangered? Early Years, 23(1), 35-43

Smith, S. J. (1998). Risk and our pedagogial relation to children: On the playground and beyond. Albany: State University of New York Press.

Tomás, C. (2011). Há muitos mundos no mundo: Cosmopolitismo, participação e direitos da criança. Porto: Edições Afrontamento.

Tovey, H. (2007). Playing outdoors: Spaces and places, risk and challenge. New York: Open University Press.

Vala, J. (1986). A análise de conteúdo. In A. S. Silva e J. M. Pinto (orgs). Metodologia das ciências sociais (pp. 101-128). Porto: Edições Afrontamento.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Artmed Editora.

Downloads

Publicado

29-09-2021

Como Citar

Reis, J., Friães, R., & Rocha, C. (2021). Crescer com o Risco: Comportamentos das crianças e de supervisão do adulto em situações de brincadeiras arriscadas, em contexto de Jardim de Infância. Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 11(2), 4–47. https://doi.org/10.25757/invep.v11i2.240

Edição

Secção

Artigos