Educação online em tempos pandémicos: Condições TIC por parte dos alunos do Ensino Superior em Angola

Cesário José Sanjambo Barbante, Lia Raquel Oliveira

Resumo


O mundo está a viver uma experiência única, nunca visto dantes, face à pandemia da COVID-19. Neste sentido, a educação online por parte dos alunos tem sido mais explorada em tempos pandémicos. O presente trabalho objetiva constatar as condições TIC por parte dos alunos do Ensino Superior, em Angola. A metodologia desta investigação inscreve-se num plano não experimental. Foram adotadas, para a recolha de dados, as seguintes técnicas: dados compilados, conjunto de dados, observação indireta e inquérito por questionário. Definiu-se a seguinte questão de investigação: quais as condições TIC dos alunos para o acesso à educação online em tempo de pandemia? Com este estudo, constatou-se que a maior parte dos alunos tem disponível recursos tecnológicos ligados à internet – com largura de banda reduzida –, designadamente computador, smartphone e tablet. Os resultados ainda mostram que existe um número considerável de alunos que não possui um equipamento TIC ligado à internet.


Texto Completo:

PDF

Referências


Azouly, A. (2019). Acesso universal à informação é direito humano fundamental. 26/06/2020. In: Nações Unidas Brasil. Acedido a 16 de julho, 2020, de https://nacoesunidas.org/acesso-universal-a-informacao-e-direito-humano-fundamental-lembra-unesco/

Babbie, E. (1997). Survey research method, 2nd eds. Wadsworth, Belmont: Publishing Company.

Barbante, C. J. S. (2019). A comunicação online entre as Instituições de Ensino Superior de Angola e os seus diversos públicos. Indagatio Didactica, 11 (1), 233-254.

Biklen, S., & Bogdan, R. C. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Castells, M. (2020). O digital é o novo normal. In: Fronteira do Pensamento. Acedido a 4 de agosto, 2020, de https://www.fronteiras.com/artigos/o-digital-e-o-novo-normal

Costa, H. (2014). Inovação Pedagógica: A Tecnologia ao serviço da Educação. Lisboa, Portugal: Chia-do Editora.

Coutinho, C. P. (2014). Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas. Lisboa: Leya.

Creswell, J. W. (2003). Qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. Londres: Sage publications

Ferreira, M. J., Campos, P., INE, ESTP, & DREN. (2009). O Inquérito Estatístico: uma introdução à elaboração de questionários, amostragem, organização e apresentação dos resultados. Um mundo para conhecer os números. INE, ESTP and DREN. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Furtado, F., Príncipe, P., & Carvalho, J. (2017). Kit sobre dados de investigação RCAAP. Acedido a 16 de julho, 2020, de http://hdl.handle.net/1822/46351

Ghiglione, R., & Matalon, B. (1992). O inquérito. Teoria e Prática. Oeiras: Celta Editora.

Gomes, M. J., Coutinho, C. P., Guimarães, F., Casa-Nova, M. J., & Caires, S. (2011). Educação a distância e e-learning na Universidade do Minho: análise das percepções, concepções e prá-ticas docentes no Instituto de Educação. Acedido a 16 de julho, 2020, de http://hdl.handle.net/1822/13758

Instituto Nacional de Estatística de Angola. (2020). Pobreza. Acedido a 16 de Julho, 2020, de https://www.ine.gov.ao/images/banners/pobreza.png

Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação. (2020). Ano Académico 2020 com 133.672 vagas. Acedido a 16 de julho, 2020, de https://www.mescti.gov.ao/vernoticia.aspx?id=49062

Oliveira, L. R. (2012). Plano Tecnológico da Educação e Educação Pública: Mitos (ensarilhados), limites e falsas promessas. In J. M. Paraskeva e L. R. Oliveira (Org), Currículo e Tecno-logia Educativa (vol. 3, pp. 165-186). Lisboa, Portugal: Edições Pedago.

Perdigão, R. (2020). A emergência social de uma acção concertada na Educação. Acedido a 16 de julho, 2020, de https://www.publico.pt/2020/04/04/sociedade/opiniao/emergencia-social-accao-concertada-educacao-1910900

Piletti, C. (2007). Didática Geral. São Paulo: Editora Ética.

Saramago, J. (2016). Ensaio sobre a Cegueira. Lisboa: Leya.

Shadish, W.R., Cook, T. D., & Campbell, D. T. (2002). Experimental and quasi- experimental designs for generalized causal inference. Wadsworth Cengage learning. Torres, R. M. (1998) “Tendências da formação docente nos anos 90”. In: Warde, M. J. (Org.) Novas políticas educacionais: críticas e perspectivas. São Paulo: PUC-SP. pp. 173-191.

Silva, B. D. D. (2020). Lições a retirar da experiência educativa em tempo de pandemia. In: O que esperar do Ensino e Aprendizagem pós Covid-19? Acedido a 16 de julho, 2020, de https://www.youtube.com/watch?v=aJgQiMKEeX8&t=25157s

Wiersma, W. (1995). Research Methods in Education: New York: Allyn and Bacon.

Willinsky, J. (2006). The access principle: The case for open access to research and scholarship. Cam-bridge, Mass.: MIT Press.

Legislação consultada

Angola. Decreto Executivo. (2020). Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação: Suspensão das atividades lectivas no ensino superior em Angola. Decreto Executivo n.º02/2020 de 19 de março de 2020.

Angola. Decreto Legislativo Presidencial Provisório nº 1/20, de 18 de Março. Declaração do estado de emergência. Acedido a 16 de julho, 2020, de https://www.governo.gov.ao/VerPublicacao.aspx?id=3937

Angola. (2020). Decreto Presidencial n.º 59/20 de 3 de março. Regulamento das Modalidades de Ensino a Distância e Semi-Presencial no Subsistema de Ensino Superior. Diário Ofi-cial da República de Angola, Luanda. I.ª série, n.º 23, 3 mar. 2020. P. 1957-1995.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v11i1.238

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

       

                                                                                                                                                     2182-1372