Tradução e adaptação cultural do Classroom Measure of Engagement, Independence, and Social Relationships – ClaMEISR para a versão brasileira

Vanessa de Melo Barros, Patrícia Carla de Souza Della Barba

Resumo


No ambiente escolar a criança perpassa por diferentes rotinas, interações e ambientes e um dos aspetos metodológicos mais relevantes para a determinação destes fatores é a utilização de instrumentos de avaliação que permita avaliar e acompanhar o desempenho da criança e o questionário Classroom Measure of Engagement, Independence, and Social Relationships - ClaMeisr atende a essas necessidades. O objetivo desse estudo consiste na tradução e adaptação cultural do instrumento para a língua portuguesa/ Brasil. O processo de tradução envolveu as etapas: tradução, síntese das traduções, retroversão, síntese das versões, pré teste e aprovação da tradução.  Como resultados foi constituído um grupo de juízes com domínio simultâneo no inglês e no conteúdo/conceito (desenvolvimento infantil) e um grupo de profissionais, para a aplicação da versão traduzida do questionário. Após avaliações, 45 itens foram questionados pelos juízes e 17 itens foram questionados pelo grupo de profissionais, com questionamentos em relação a compreensão de alguns termos, sugestões de adição de palavras e destaque de recurso que não pertencia a sua realidade. Após as contribuições dessas etapas o questionário foi enviado e validado pelo autor. Pela relevância e pertinência de se avaliar e acompanhar o desempenho das crianças, principalmente no ensino infantil, selecionou-se o questionário com a intenção de contribuir para uma avaliação mais objetiva e para uma melhoria da prática de profissionais na área da saúde e educação.


Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Alves, A. C. D. J., Matsukura, T. S., & Scherer, M. J. (2017). Cross-cultural adaptation of the assistive technology device–Predisposition assessment (ATD PA) for use in Brazil (ATD PA Br). Disability and rehabilitation: assistive technology, 12(2), 160-164.

AOTA American Occupational Therapy Association. (2015). Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo-traduzida. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 26(esp), 1-49.

Beaton, D. E., Bombardier, C., Guillemin, F., & Ferraz, M. B. (2000). Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, 25(24), 3186-3191.

Coster, W. J., & Mancini, M. C. (2015). Recomendações para a tradução e adaptação transcultural de instrumentos para a pesquisa e a prática em Terapia Ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 26(1), 50-57.

Grassi-Oliveira, R., Stein, L. M., & Pezzi, J. C. (2006). Tradução e validação de conteúdo da versão em português do Childhood Trauma Questionnaire. Revista de Saúde Pública, 40, 249-255.

Kane, A. E. (2013). Sensory modulation disorder: Impact on coping and occupational performance.

Koller, M., Kantzer, V., Mear, I., Zarzar, K., Martin, M., Greimel, E., Kulis, D., ISOQOL TCA-SIG. (2012). The process of reconciliation: evaluation of guidelines for translating quality-of-life questionnaires. Expert review of pharmacoeconomics & outcomes research, 12(2), 189-197.

McWilliam, R. A., & Casey, A. M. (2008). Engagement of every child in the preschool classroom. Baltimore, MD: Paul H. Brookes Publishing Company.

McWilliam, R. A., & Bailey Jr, D. B. (1995). Effects of classroom social structure and disability on engagement. Topics in Early Childhood Special Education, 15(2), 123-147.

Pasquali, L. (1998). Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Revista de psiquiatria clínica, 25(5), 206-213.

Raspa, M. J., McWilliam, R. A., & Maher Ridley, S. (2001). Child care quality and children's engagement. Early Education and Development, 12(2), 209-224.

Reichenheim, M. E., & Moraes, C. L. (2007). Operacionalização de adaptação transcultural de instrumentos de aferição usados em epidemiologia. Revista de Saúde Pública, 41, 665-673.

Su, C. T., & Parham, L. D. (2002). Generating a valid questionnaire translation for cross-cultural use. American Journal of Occupational Therapy, 56(5), 581-585.

Wild, D., Grove, A., Martin, M., Eremenco, S., McElroy, S., Verjee‐Lorenz, A., & Erikson, P. (2005). Principles of good practice for the translation and cultural adaptation process for patient‐reported outcomes (PRO) measures: report of the ISPOR Task Force for Translation and Cultural Adaptation. Value in health, 8(2), 94-104.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v9i2.185

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.