A Formação dos Educadores de Infância na Área das Ciências

Maria de Lurdes Santos, Jorge Ávila de Lima, Carlos João Gomes

Resumo


Na Educação Pré-Escolar, muitas vezes, a necessidade que as crianças sentem de encontrar explicações para tudo o que as rodeia encontra-se diretamente associada à Área de Conhecimento do Mundo. Através de um estudo empírico, procurámos caracterizar a formação inicial dos educadores de infância na área das ciências, analisar as suas representações e práticas educativas no que concerne a atividades de índole científica e perceber que estratégias de formação e de supervisão poderão ser utilizadas para abordar esta área de forma mais consistente neste nível educativo. O estudo empírico, que envolveu um inquérito por questionário e entrevistas, foi realizado na rede de Educação Pré-Escolar do Concelho de Ponta Delgada. Os resultados mostram que a maioria das educadoras tem como agrupamento de origem as Humanidades, tendo tido o 9º ano como o último ano de frequência de disciplinas de ciências físico-químicas e naturais. As inquiridas consideraram insuficiente a sua formação nesta área. Reconheceram a importância e as potencialidades da realização de atividades de ciências com as crianças, mas mais de metade afirmou realizar estas atividades apenas uma vez por semana. Quase todas as educadoras admitiram a necessidade de melhorar as suas práticas neste âmbito. Estes resultados são discutidos à luz de mudanças necessárias ao nível da formação inicial e contínua de educadores nesta área, assim como de possíveis ajustamentos nas práticas e estratégias de supervisão utilizadas com estas profissionais.

Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Alveirinho, D., Tomás, H., & Cardoso, L. (2002). Que educação em ciências queremos para os nossos educadores? Educare-Educere, 1(8), 85-91.

Afonso, M. (2008). A educação científica no 1.º ciclo do ensino básico: das teorias às práticas. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I., & Tavares, J. (1987). Supervisão da prática pedagógica: uma perspectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Edições Almedina.

Cachapuz, A., Praia, J., & Jorge, M. (2002). Ciência, educação em ciência e ensino das ciências. Lisboa: Ministério da Educação.

Catita, M. E. (2007). Estratégias metodológicas para o ensino do meio físico e social do pré-escolar ao 1.º ciclo. Porto: Areal Editores.

Díaz, M., J., (2002). Enseñanza de las ciencias¿ Para qué? Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 1(2), 57-63. Disponível em: http://www.saum.uvigo.es/reec/volumenes/volumen1/Numero2/Art1.pdf

Esteves, M., & Rodrigues, A. (2003). Tornar-se professor: estudos portugueses recentes. Investigar em Educação, 2, 15-65.

Fialho, I. (2007). O Pensamento de Rómulo de Carvalho: contributos para uma didáctica das ciências no jardim-de-infância. Acedido no dia 2 de setembro de 2011, disponível em:http://rdpc.uevora.pt/bitstream/10174/1301/1/R%C3%B3mulo+de+Carvalho.pdf

Fialho, I. (2009). Ensinar ciências no pré-escolar: contributos para aprendizagens de outras áreas/domínios curriculares – relatos de experiências realizadas em jardins-de- infância. Enseñanza de las Ciencias – Revista de Investigación y Experiencias Didácticas, Número Extra – VIII Congreso Internacional sobre Investigación en la Didáctica de las Ciencias, 5-8.

Howe, A. C. (2002). As ciências na educação de infância. In B. Spodek (Ed.), Manual de investigação em educação de infância (pp. 503-522). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Lima, J. Á. (2013). Por uma análise de conteúdo mais fiável. Revista Portuguesa de Pedagogia, 47(1), 7-29.

Marchão, A. J. (2011). Desenvolvimento profissional dos educadores e dos professores: é possível conciliar a supervisão e a avaliação de desempenho? Revista Profforma, 3. Disponível em: http://www.cefopna.edu.pt/revista/revista_03/es_06_03_AM.htm

Martins, I., Veiga, M., Teixeira, F., Tenreiro-Vieira, C., Vieira, R., Rodrigues, A. V., & Couceiro, F. (2007). Educação em ciências e ensino experimental: formação de professores. Lisboa: Ministério da Educação.

Mata, P., Bettencourt, C., Lino, M. L., & Paiva, M. (2004). Cientistas de palmo e meio: uma brincadeira muito séria. Análise Psicológica, XXII(1), 169-174.

Ministério da Educação (1997). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Editorial do Ministério da Educação.

Morais, A. M., & Neves, I. P. (2007). Fazer investigação usando uma abordagem metodológica mista. Revista Portuguesa de Educação, 20 (2), 75-104.

Paixão, M., & Cachapuz, A. (1999). La enseñanza de las ciencias y la formación de profesores de enseñanza primaria para la reforma curricular: de la teoría a la práctica. Enseñanza de las Ciencias, 17(1), 69-77.

Santos, M., & Brandão, M. (2008). Supervisão pedagógica numa articulação entre a preparação do educador, a formação do aluno e a qualidade da educação das crianças: a função da escala de empenhamento do adulto na concretização deste processo. Cadernos de Estudo, 7, 79-105.

Santos, M. C. (2002). Trabalho experimental no ensino das ciências. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/invep.v6i2.76

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)