Acolhimento de requerentes e beneficiários de proteção internacional

Da intervenção normativa à intervenção comprometida com uma democracia participativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25757/invep.v12i1.292

Resumo

A denominada crise de refugiados, teve, na Europa, um crescimento muito significativo a partir de 2015, em grande medida fruto de uma guerra sem fim à vista, na Síria e, já em 2021, devido à crise política e social que espoletou no Afeganistão. Ao chegarem a um novo país, requerentes e beneficiários de proteção internacional têm a legitimidade de esperar que lhes seja permitido o acesso a um lugar seguro para ficar, formas de assegurar as suas necessidades e direitos fundamentais, e liberdade para participar de forma plena em tudo o que as envolva. A questão do acolhimento destas pessoas reflete o desafio da responsabilidade dos Estados e suas instituições, e exige tratar o outro como um cidadão de pleno direito, com o mesmo acesso aos recursos do país e da comunidade onde se instala, mas sem precisar de anular a sua identidade. Com o presente artigo pretende-se refletir acerca dos percursos destas pessoas que, para além das dificuldades em conseguir a documentação que permita a estadia legalizada e usufruto de direitos no novo país, são confrontadas com o desfasamento entre o que as políticas de acolhimento definem, e o que é feito localmente. Nesta medida, ambiciona-se compreender as razões que levam a que tal aconteça, e refletir acerca da necessidade de estas pessoas terem um papel ativo em todo o processo de acolhimento, para que consigam conquistar autonomia, encontrar o seu lugar na comunidade, se assim o desejarem, sem ficarem reféns das ajudas humanitárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Joana Vaz Ferreira, Universidade de Coimbra, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação

Doutoranda em Ciências da Educação na Universidade de Coimbra, Investigadora na área da proteção internacional da pessoa humana. Mestre em Educação e Intervenção Social, pelo Politécnico do Porto. Experiência profissional na intervenção social em diversos contextos, com pessoas em situação de grande vulnerabilidade. É Assistente Convidada na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Tem artigos publicados em revistas nacionais e participou, enquanto oradora, em eventos nacionais e internacionais.

Referências

Agier, M. (2006). Refugiados diante da nova ordem social. Tempo Social, 18(2), 197-215, Universidade de Coimbra. doi:http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0879-2

International Organization for Migration. (2020). World Migration Report 2020. Switzerland: International Organization for Migration.

ACNUR. (2011). Manual de procedimentos e critérios para a determinação da condição de refugiado. Dinamarca: ACNUR.

Arendt, H. (2001). A condição humana (4 ed.). Lisboa: Relógio de Água.

Arendt, H. (2018). As origens do totalitarismo (8 ed.). Alfragide: Dom Quixote.

Bradley, M. (2019). Resolving refugee situations: Seeking solutions worthy of the name. Centre for International Governance Innovations, 1-14.

Garcia, M. (2004). Animação Sociocultural, conflito social e marginalização. Em J. Trilla (coord), Animação Sociocultural. Teorias, Programas e Âmbitos (pp. 265-277). Lisboa: Instituto Piaget.

Jones, W. (2019). Refugee voices. Centre for Internacional Governance Innovation, 1-14.

Lopes, M. (2008). Animação Sociocultural em Portugal (2 ed.). Amarante: Intervenção - Associação para a Promoção e Divulgação Cultural.

Matos, M. (2009). Da intervenção comunitária à mediação comunitária. Educação, Sociedade e Culturas(29), 175-189.

Padilla, B. (2017). Saúde e migrações: metodologias participativas como ferramentas de promoção da cidadania. Interface (Botucatu), 21 (61), 273-284. doi:10.1590/1807-57622016.0624

Payne, M. (2002). A construção social da teoria do trabalho social. Em M. Payne, Teoria do trabalho social moderna (pp. 15-45). Coimbra: Quarteto.

Pina, T. (2018). Direitos Humanos: O que está por fazer no século XXI. Lisboa: Circulo de Leitores.

Pussetti, C. (2017). O silêncio dos inocentes. Os paradoxos do assistencialismo e os mártires do Mediterrâneo. Interface (Botucatu), 21 (61), 263-272. doi:10.1590/1807-57622016.0625

Santinho, M. C. (2013). Afinal, que asilo é este que não nos protege? Etnográfica, 17(1), 5-29. doi:10.4000/etnografica.2522

Sousa, L., Costa, P., Albuquerque, R., Magano, O., & Bäckström, B. (2019). Refugiados Recolocados em Portugal: Práticas de Acolhimento. Lisboa: Universidade Aberta.

UNHCR. (2020). Global Trends: Forced Displacement in 2019. Denmark: United Nations High Comissioner for Refugees.

Wachelke, J., & Camargo, B. (2007). Representações sociais, representações individuais e comportamento. Revista Interamericana de Psicologia, 41(3), 379-390.

Downloads

Publicado

29-03-2022

Como Citar

Vaz Ferreira, J. (2022). Acolhimento de requerentes e beneficiários de proteção internacional: Da intervenção normativa à intervenção comprometida com uma democracia participativa . Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 12(1), 5–25. https://doi.org/10.25757/invep.v12i1.292

Edição

Secção

Artigos