Intervenção precoce, formação profissional e os desafios para a implementação de práticas baseadas em evidência

Bruna Pereira Ricci Marini, Patrícia Carla de Souza Della Barba

Resumo


Objetivo: Identificar, pela ótica dos profissionais, quais os referenciais utilizados em suas práticas no campo da Intervenção Precoce, se empregam práticas baseadas em evidências e quais os desafios relacionados à formação profissional. Método: Trata-se do recorte de um estudo com metodologia transversal, descritiva e exploratória, de abordagem quali-quantitativa. O estudo foi desenvolvido em duas etapas: identificação e caracterização dos serviços e equipes de Intervenção Precoce; e estudo exploratório com profissionais que integram essas equipes. Resultados: Os resultados da primeira etapa permitiram a identificação de 95 profissionais, pertencentes a 15 diferentes especialidades, atuando em 9 serviços de Intervenção Precoce das regiões epesquisadas. Na segunda etapa, foram descritas pelos mesmos uma ampla complexidade de referenciais teóricos empregados em suas práticas, assim como dificuldades nos processos de formação continuada e no acesso á conhecimentos científicos que fundamentam as práticas baseadas em evidências. Considerações finais: Diante das questões colocadas, conclui-se que ainda existe um longo caminho a percorrer para a aproximação entre as práticas desenvolvidas e aquelas reconhecidas como as mais eficazes, o que demanda o investimento na formação de qualidade, na articulação entre serviços e universidades e no desenvolvimento de pesquisas em vários níveis para o fomento da qualidade técnica e, consequentemente, o desenvolvimento das melhores práticas.


Texto Completo:

PDF

Referências


Bairrão, J., & Almeida, I.C. (2003). Questões actuais em intervenção precoce. Psicologia, 17(1), 15-29. Acesso em 10 de abril, 2015, de https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/13624/2/82420.pdf>

Batista, K.B.C., & Gonçalves, O.S.J. (2011). Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, .20(4), 884-899.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Bobreck, A. (2014). Atuação e formação em estimulação precoce: caracterização da percepção dos profissionais em três instituições. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Departamento de Educação Especial, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Bolsanello, M.A. (1998). Interação mãe-filho portador de deficiência: concepções e modo de atuação dos profissionais em estimulação precoce. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bolsanello, M.A. (2003) Concepções sobre os procedimentos de intervenção e avaliação de profissionais em estimulação precoce. Educar, 22, 343-355. Acesso em 23 de junho, 2015, de http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/2185

Brasil. (2004). Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS: Caminhos para a Educação Permanente em Saúde. Brasília.

Brasil. (2007). Portaria 1996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Acesso em 12 de dezembro, 2016, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html

Buysse, V., & Hollingsworth, H.L. (2009). Program Quality and Early Childhood Inclusion: Recommendations for professional development. Topics in Early Childhood Special Education, 29(2), 119-128.

Closs, S.J.; & Cheater, F.M. (1999). Evidence for nursing practice: a clarification of the issues. J Adv Nurs, 30(1), 10-17, 1999. Acesso em 06 de janeiro, 2016, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.1365-2648.1999.01043.x/full

Carvalho, L. et al. (2016). Práticas recomendadas em Intervenção Precoce na Infância: Um guia para profissionais. Coimbra: Associação Nacional de Intervenção Precoce.

Dickersin, K; Sherer, R.; & Lefebure, C. (1994). Identifying relevant studies for systematic reviews. BMJ, 309, 1286-1291. 1994. Acesso em 13 de janeiro, 2016, de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2549104/

Dunst, C.J. (2009). Implications of evidence-based practices for personnel preparation development in Early Childhood Intervention. Infants & Young children, 22(1), 44-53.

Dunst, C.J.; Trivette, C.M. (2009). Capacity-building family-systems intervention practices. Journal of Family Social Work, 12(2), 119-143.

European Agency for Development in Special Needs Education (EADSNE). (2010). Early Childhood Intervention: progress and developments. Acesso em 15 de janeiro, 2016, de https://www.european-agency.org/sites/default/files/early-childhood-intervention-progress-and-developments_ECI-report-EN.pdf.

Fernandes, M.D.A. (2001). Subsídios para a caracterização de programas de intervenção precoce implementados pelas equipas de apoios educativos na região de Trás-OsMontes.. Dissertação (Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Educação da Criança) – Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2001.

Galvão, C.M.; Sawada, N.O.; & Mendes, I.A.C. (2003). A busca das melhores evidências. Rev Esc Enferm USP, 37(4), 43-50.

Galvão, C.M., & Sawada, N.O. (2003). Prática baseada em evidências: estratégias para a sua implementação na enfermagem. Rev Bras Enferm, 56(1), .57-60, Acesso em 12 de abril, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/reben/v56n1/a12v56n1.

Guralnick, M.J. (1993). Second generation research on the effectiveness of early intervention. Early Education and Development, 4(4), 366-378. Acesso em 22 de junho, 2015, de https://depts.washington.edu/chdd/guralnick/pdfs/Guralnick_Second_Generation_Research-EED-1993.pdf

Guralnick, M.J. (2015). Merging policy initiatives and developmental perspectives in early intervention. Escritos de Psicología, 8(2), 6-13. Acesso em 10 de janeiro, 2016, de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4747327/

Guralnick, M.J. (2016). Early intervention for children with intellectual disabilities: An update. Journal of Applied Research in Intellectual Disabilities, 1-19. Acesso em 12 de janeiro, 2016, de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jar.12233/abstract

Guralnick, M.J. (2008). International perspectives on early intervention: A search for common ground. Journal of Early Intervention, 30(2), 90-101.

Guralnick, M.J. (1998) Effectiveness of early intervention for vulnerable children: A developmental perspective. American Journal on Mental Retardation, 102(4), 319-345. Acesso em 17 de maio, 2015, de https://depts.washington.edu/chdd/guralnick/pdfs/effect_EI_AJMR_vol102_98.pdf

Meisels, S.J. (1985). The efficacy of early intervention: Why are we still asking this question?. Topics in Early Childhood Special Education, 5(2), 1-11. Acesso em 30 de junho, 2015, de https://deepblue.lib.umich.edu/bitstream/handle/2027.42/68911/10.1177_027112148500500202.pdf?sequence=2

Meisels, J.P., & Shonkoff, S.J. (2000). Early childhood intervention: the evolution of a concept. In: _________. Handbook of Early Childhood Intervention. 2 ed. Cambridge: Cambridge University Press.

Palacios, A.C., Maia, S.R., & Fiamenghi Júnior, G.A. (2003) Condições para a mudança de paradigma no atendimento e serviços na intervenção precoce: uma reflexão em torno de conflitos sobre valores e prioridades na intervenção precoce. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 3(1), 19-28.

Pereira, A.P.S. (2009). Práticas centradas na família em intervenção precoce: um estudo nacional sobre práticas profissionais. Tese (Doutorado em Estudos da Criança) – Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, Braga.

Serrano, A.M. (2007). Redes Sociais de Apoio e a sua Relevância para a Intervenção Precoce. Porto: Porto Editora,

Serrano, A.M. et al. (2010). Projecto-piloto de investigação-acção em intervenção precoce na direcção regional de educação especial e reabilitação. Diversidades, ano 8(29), 4-27. Acesso em 05 de setembro, 2014, de http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/16281.

Tegethof, M.I.S.C.A. (2007). Estudos sobre a Intervenção Precoce em Portugal: Ideias dos especialistas, dos profissionais e das famílias. Tese (Doutorado em Psicologia). Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v11i1.241

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

       

                                                                                                                                                     2182-1372