A Escola Portuguesa ao serviço do Estado Novo: as Lições de História de Portugal do Boletim do Ensino Primário Oficial e o Projeto Ideológico do Salazarismo

Maria Paula Pereira

Resumo


O presente ensaio considera o Boletim da Direção Geral do Ensino Primário,
Escola Portuguesa, como um importante meio de comunicação da política educativa do Estado
Novo junto do professorado primário, com objetivos de orientação e inculcação ideológica.
Uma análise do lugar ocupado pela História de Portugal nas páginas da Escola Portuguesa é
esboçada para o período compreendido entre 1934 e 1946. Os acontecimentos e as figuras
da História portuguesa que são usados como elementos estruturantes do discurso políticoideológico
do Salazarismo são identificados. Estas práticas discursivas têm como principais
objetivos a legitimação do regime e a operacionalização do seu programa político junto dos
agentes educativos, alunos e comunidade local.

Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Abrantes, P. (2011). Para uma Teoria da Socialização. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 21, 121-139. Consultado em http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/9864.pdf

Adão, A. C. & Leote, M. I. (2006). A Escola em Meio Rural do Estado Novo. A Formação dos seus Professores No(s) Discurso(s) do Poder (1933-1956), 77-89. Consultado a 10 de maio de 2013, em http://www2.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/8AureaAdao.pdf

Alexandre, V. (1995). A África no Imaginário Político Português (Séculos XIX e XX). Penélope, 15, 39-52. Consultado em http://tinyurl.com/qyxze6b

Barros, T. (1949). História de Portugal. (27ª ed.). Porto: Editora Educação Nacional de Adolfo Machado.

Bivar, M. F. (1975). Ensino Primário e Ideologia. (2ª ed.). Lisboa: Seara Nova.

Bobbio, N. (1989a). Democracia/Ditadura. In Enciclopédia Einaudi, Estado-Guerra (Vol. 14, pp. 171-213). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Bobbio, N. (1989b). Poder/Autoridade. In Enciclopédia Einaudi, Estado-Guerra (Vol. 14, pp. 44-57). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Bourdieu, P. (2001). O Poder Simbólico. Lisboa: Difel.

Cabreira, E. & Cabral, O. (1937). História da Pátria Portuguesa. Porto: Livraria Simões Lopes Domingos Barreira.

Candeias, A. (2009). Educação, Estado e Mercado no Século XX. Apontamentos para o Caso Português numa Perspectiva Comparada. Lisboa: Edições Colibri.

Catroga, F. (2001). Memória, História e Historiografia. Coimbra: Quarteto.

Cunha, L. (2001). A Nação nas Malhas da sua Identidade. O Estado Novo e a Construção da Identidade Nacional. Porto: Edições Afrontamento.

Eagleton, T. (1999). Ideologia, Uma Introdução. São Paulo: UNESP. Consultado em http://tinyurl.com/k8b9atl

Gameiro, F. L. (2012). A Política Educativa do Estado Novo, O Ensino Secundário Liceal. In F. Martins (coord.), A Formação e a Consolidação Política do Salazarismo e do Franquismo. As Décadas de 1930 e 1940 (pp. 87-112). Lisboa: Edições Colibri.

Gellner, E. (1993). Nações e Nacionalismo. Lisboa: Gradiva.

Gil, J. (1989a). Nação. In Enciclopédia Einaudi, Estado-Guerra (Vol. 14, pp. 276-305). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Gil, J. (1989b). Poder. In Enciclopédia Einaudi, Estado-Guerra (Vol. 14, pp 58-103). Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda

Guedes, L. (1998). Escola Portuguesa (1934-1957), Sobre Política Educativa do Estado Novo. (Dissertação de mestrado, Instituto de Educação da Universidade do Minho, Braga).

Henriques, M. C. & Melo, G. S. (org.). (2010). Pensamento Político e Doutrina Política, Textos Antológicos António Oliveira Salazar. (3ª edição). Lisboa: Verbo/Babel.

Hobsbawm, E. (2004). A Questão do Nacionalismo, Nações e Nacionalismo desde 1780. (2ª edição). Lisboa: Terramar.

João, M. I. (1998). Organização da Memória In F. Bethencourt & K. Chaudhuri, História da Expansão Portuguesa. Do Brasil para África (1808-1930), (Vol. VI, pp. 376-424). Lisboa: Círculo de Leitores.

João, M. I. (2001). Estado, Nação e Região. Arquipélago, 5, 689-702. Consultado em http://hdl.handle.net/10400.3/361

João, M. I. (2002) Memória e Império. Comemoração em Portugal (1880-1960). Lisboa: Fundação Gulbenkian/Fundação para a Ciência e Tecnologia.

João, M. I. (2005). Memória, História e Educação. NW Noroeste, Revista de História, 1, 81-100.

Livro de Leitura da 3ª classe. Lisboa: Ministério da Educação Nacional.

Livro de Leitura para a 4ª classe, Porto: Editora Educação Nacional.

Matos, S. C. (1990). História, Mitologia, Imaginário Nacional. A História no Curso dos Liceus (1895-1939). Lisboa: Livros Horizonte.

Mónica, M. F. (1977). «Deve ensinar-se o povo a ler»: A Questão do Analfabetismo (1926-1939). Análise Social, 13(50), 321-353

Mónica, M.F. (1978). Educação e Sociedade no Portugal de Salazar (A Escola Primária Salazarista 1926-1939). Lisboa: Editorial Presença.

Nora, P. (1993). Ente memória e História. A Problemática dos Lugares de Memória. Projeto História 10(10), 7-28. Consultado em http://www.pucsp.br/projetohistoria/downloads/revista/PHistoria10.pdf

Nóvoa, A. (1992). A Educação Nacional. In J. Serrão & A. H. de Oliveira Marques (coord.), Nova História de Portugal (Vol. XII, pp. 456-519). Lisboa: Presença.

Nóvoa, A. (1993). A Imprensa da Educação e Ensino. Relatório Analítico (séculos XIX e XX). Lisboa: Ministério da Educação, Instituto de Inovação Educacional.

Ó, J. R. (1999). Os anos de Ferro, o dispositivo cultural durante a “Política do Espírito” 1933-1949, Ideologia, instituições, agentes e práticas. Lisboa: Editorial Estampa.

Pacheco, C. (1940). Portugal Renovado (Discursos). Lisboa: Livraria Bertrand.

Pinheiro, J. E. M. (1959). Introdução a Decroly. In Revista Magistério, 1 (texto cedido pelo autor).

Pinheiro, J. E. M. (1965). Introdução ao Estudo da Didáctica Especial. Língua Portuguesa História da Pátria – Desenho. (3ª ed.). Lisboa: edição do autor.

Pinheiro, J. E. M. (1995). Elementos para o Estudo da Escola Normal Primária de Lisboa. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa.

Pinheiro, J. E. M. (1996). Escritos Vários Relativos à Escola Normal Primária e à Escola do Primário de Lisboa. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa.

Pinheiro, J. E. M. (1997). Notas e Documentos para a História do Ensino Primário Normal. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa.

Pintassilgo, J. A. S. & Lume, F. (2002). A Inspecção Escolar – entre o Estado Novo e a Democracia, 1-21. Consultado a 11 de maio de 2013, em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4039/1/A%20Inspec%C3%A7%C3%A3o%20escolar.pdf

Pintassilgo, J. A. S. & Mogarro, M. J. (2012). A historiografia portuguesa da educação: balanço e reflexões a partir do exemplo da histórica formação dos professores. Educação, 1, 28-41. Consultado em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/10348

Pintassilgo, J. A. S. & Serrazina, L. (2009). A Escola Normal de Lisboa e a Formação de Professores, Arquivo, História e Memória. Lisboa: Edições Colibri.

Pollak, M. (1992). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, 5(10), 200-212. . Consultado em http://tinyurl.com/lloyycs

Proença, M. C. (2000). Um Século de Ensino da História. Lisboa: Edições Colibri.

Ramos, G. C. (1937). Os Fundamentos Éticos da Escola do Estado Novo. Uma Série de Conferências. Lisboa: União Nacional.

Ricoeur, P. (1991). Ideologia e Utopia. Lisboa: Edições 70.

Rosas, F. (1994). O Estado Novo (1926-1974). In J. Mattoso (dir.), História de Portugal (Vol. VII). Lisboa: Círculo de Leitores.

Rosas, F. (2001). O Salazarismo e o Homem Novo: Ensaio sobre o Estado Novo e a Questão do Totalitarismo. Análise Social, 35, 1031-1054. Consultado em http://tinyurl.com/mw7gqjz

Strang, B. (2011). Educação em Revista: a Escola Portuguesa nos Primeiros Anos do Estado Novo. Comunicação apresentada no Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, Curitiba. . Consultado a 8 de maio de 2013, em http://tinyurl.com/qbsu8ar

Smith, A. D. (1997). A Identidade Nacional. Lisboa: Gradiva.

Torgal, L. R. (2009). Estados Novos, Estado Novo, Vol. I e II (2ª ed.). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Torgal, L. R., Mendes, J. A. & Catroga, F. (1998). História da História em Portugal, Da Historiografia à Memória Histórica (Vol. II). Lisboa: Temas e Debates.

Verón, E. (1978). Sémiosis de l'idéologie et du pouvoir. Communications, 28, 7-20. Consultado em http://tinyurl.com/mxyp9jw

Vieira, P. (2010). O Império como fetiche no Estado Novo: Feitiço do Império e o Sortilégio Colonial. Portuguese Cultural Studies, 3, 126-144. Consultado em http://www2.let.uu.nl/solis/psc/P/PVOLUMETHREEPAPERS/VIEIRA-P3.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/invep.v4i1.17

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)