Adequações curriculares e estratégias de ensino em turmas inclusivas: um estudo exploratório no 1º Ciclo

Alexandra Frias da Silva, Teresa Leite

Resumo


A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais (NEE) no sistema educativo não tem sido fácil para as escolas nem para os professores, uma vez que exige mudanças na organização escolar e nas práticas curriculares. Este estudo centra-se nas decisões de planeamento curricular e estratégias de ensino protagonizadas por professores que lecionam em turmas inclusivas e tem como objetivo identificar conceções e práticas de diferenciação curricular para alunos com NEE. O estudo incide sobre 4 professores e respetivas turmas do 1º ciclo do Ensino Básico do mesmo Agrupamento de Escolas. Como processo de recolha dos dados utilizámos a entrevista e a observação direta. Concluímos que os professores assumem a necessidade de implementar adequações curriculares como resposta às diferenças e particularidades de cada aluno. No entanto, revelaram dificuldades ao nível da gestão curricular em turmas inclusivas e as práticas que desenvolvem nem sempre facilitam a implementação das adequações que reconhecem ser necessárias.

Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Bardin, L. (2008). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Coutinho, M. C. (2011). Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas. Coimbra: Almedina.

Danielson, C. (2010). Melhorar a prática profissional. Um quadro de referência para a docência. Lisboa: Ministério da Educação.

De Ketele, J. M., & Roegiers, X. (1999). Metodologia da recolha de dados. Fundamentos dos métodos de observações, de questionários, de entrevistas e de estudo de documentos. Lisboa: Instituto Piaget.

Estrela, A. (1994). Teoria e prática de observação de classes. Uma estratégia de formação de professores(4ª ed). Porto: Porto Editora.

Falvey, M. (2004). Towards realizing the influence of - Toward realization of the least restrictive environments for severely disabled students. Research and Practice for Persons with Severe Disabilities, 29(1), 9-10.

Flick, U. (2005). Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Edição Monitor.

Heacox, D. (2006). Diferenciação curricular na sala de aula. Porto: Porto Editora.

Leite, T. (2011). Currículo e necessidades educativas especiais. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Leite, T. (2012). Diferenciação curricular na resposta às necessidades educativas especiais dos alunos. In I. Sanches, M. Costa, & A. Santos (Eds.), Para uma educação inclusiva: Dos conceitos às práticas (Vol. I, pp. 85-96). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.

Pacheco, J. A. (2011). Currículo: Teoria e práxis. Porto: Porto Editora.

Prater, M. A. (2003). She will succeed: Strategies for success in inclusive classrooms. Teaching Exceptional Children, 35(5), 58-64.

Quivy, R. & van Campenhoudt, L. (1995). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva.

Rodrigues, D. (2006). Educação inclusiva. Estamos a fazer progressos? Lisboa: FMH.

Roldão, M. C. (1999). Os professores e a gestão do currículo. Porto: Porto Editora.

Roldão, M. C. (2003). Diferenciação curricular revisitada. Conceito, discurso e praxis. Porto: Porto Editora.

Roldão, M. C. (2009). Estratégias de ensino: O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

Sousa, F. (2010). Diferenciação curricular e deliberação docente. Porto: Porto Editora.

Tomlinson, C. (2008). Diferenciação pedagógica e diversidade. Ensino de alunos em turmas com diferentes níveis de capacidades. Porto: Porto Editora.

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca. Inovação, 7(1), Ministério da Educação: Instituto de Inovação Educacional.

Warnock, M. (1978). Special educational needs (The Warnock Report). London: H.M.S.O.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/invep.v5i2.80

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)