Trabalho de Projeto como “Pedagogia de Fronteira”

Teresa Vasconcelos

Resumo


A proposta colocada no presente trabalho, a partir de uma reflexão sobre o desenvolvimento do trabalho de projeto em sala de atividades, é de que, fazer trabalho de projeto se pode tornar uma forma de criar uma “pedagogia de fronteira”. Esta pedagogia
implica uma perspetiva de trabalho centrada em problemas e na interdisciplinaridade, mobilizando a criação de constantes mapas mentais por parte de educandos e seus educadores. Orienta-se para os fins sociais da aprendizagem, ajuda o currículo a funcionar
como um sistema de vasos comunicantes. Ao trabalhar em “terrenos de fronteira” os educadores transcendem-se a si próprios e aos limites que lhes são colocados pelas respetivas estruturas institucionais e entendem que o outro não é uma ameaça mas um
recurso.

Texto Completo:

PDF

Referências


André, J. M. (2007). Identidade(s) e multiculturalismo. In A. Borges (coord.). Deus no

Século XXI e o Futuro do Cristianismo (pp. 151-196). Porto: Campo de Letras.

Barbosa, C.S. e Horn, G. (2008). Projetos Pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre:

Artes Médicas.

Beneke, S. e Ostrosky, M. (2009). Teachers’ views of the efficacy of incorporating the

Project approach into classroom practice with diverse learners. Early Childhood Research

and Practice, Vol. 11, nº 1: 1-16.

Britt, C. e Sumsion, J. (2003). Within the Botherlands: Beginning early childhood teachers in

primary schools. Contemporary Issues in Early Childhood, Vol 4, nº 2: 115-136.

Comissão Independente População e Qualidade de Vida (1998). Cuidar o Futuro: Um

programa radical para viver melhor. Lisboa: Trinova.

Dalhberg, G. e Moss, P. (2005). Ethics and Politics in Early Childhood Education. London:

Routledge/Falmer.

Daniels, H. (2001). Vygotsky and Pedagogy. London: Routledge/Falmer.

Daniels, H. , Leadbetter, J., Warmington, P. Edwards, A., Martin, Popova, A., Apostolov, A.,

Middleton D. E Brown, S. (2007). Learning in and for multi-agency working. Oxford Review

of Education, 33, nº 4: 521-538.

DEB (2008). Qualidade e Projeto na Educação Pré-Escolar. Lisboa: DEB/Gabinete para a

Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar.

Dewey, J. (1938/1963). Experience and Education. Nova Iorque: Macmillan Publishing

Company.

Dewey, J. (1959). Vida e Educação. S. Paulo: Melhoramentos.

Dicionário da Academia das Ciências (2001). Lisboa: Verbo.

Dunlop, A-W. (2003) Bridging early educational transitions in learning through children’s

agency. European Early Childhood Education Research Monograph Series, nº1: 67-86.

Edwards, A. (2005). Relational Agency: Learning to be a resourceful practitioner.

International Journal of Educational Research, 43: 168-182.

Freire, P. (1997). Pedagogia da Autonomia. S. Paulo: Paz e Terra.

Giddens, A. (1993). Sociology. Cambridge: Policy Press (2ª edição, revista).

Giroux, H. (1991). Postmodernism as border pedagogy: Redifining the boundaries of race

and ethnicity. In: H. A Giroux (Ed.) Postmodernism, Feminism and Cultural Politics:

Redrawing educational boundaries (pp. 217-256). Albany: State University of New York

Press.

Glassman, M. e Whaley, K. (2001). Dynamic aims: The use of long-term projects in early

childhood classrooms in light of Dewey’s educational philosophy: Early Childhood Research

and Practice, Vol. 2, nº 1: 1-13.

Helm, J. e Bekele, S. (2005). O Poder dos Projetos: Novas estratégias e soluções para a

educação infantil. Porto Alegre: Artes Médicas.

Katz, L. e Chard, S. (1997). A Abordagem de Projeto na Educação de Infância. Lisboa:

Gulbenkian.

Kilpatrick, W. H. (1918). The Project Method. Teachers College Record, 19: 319-335.

Kliebard, H.M. (1975). Raízes metafóricas ao projetar um currículo. In: W. Pinar (Ed)

Curriculum Theorizing: The Reconceptualists. (Trad. Teresa Vasconcelos). Berkeley:

McCutchan Publishing Company.

Leite, E.; Malpique, M. e Santos, M.R. (1989). Trabalho de Projeto – I: Aprender por

projetos centrados em problemas. Porto: Afrontamento.

Leite, E.; Malpique, M. e Santos, M.R. (1989). Trabalho de Projeto – II: Leituras Comentadas.

Porto: Afrontamento.

Moss, P. (2007). Bringing politics into the nursery: Early education as a democratic practice.

European Early Childhood Research Journal, 15, nº 1: 5-20.

Moss, P. e Petrie, P. (2002). From Children’s Services to Children’s Spaces: Public policy,

children and childhood. London: Routledge/Falmer.

OECD (2006). Starting Strong II: Early Education and Care. Paris: OCDE.

Ramos, M. S. (s/d). Um Contributo para a Literacia Científica em Educação Ambiental.

Texto de Apoio nº 5. Lisboa: Escola Superior de Educação.

Rorty, R. (1989). Contingency, Irony and Solidarity. Cambridge: Cambridge University Press

Santos, B. S. (2000). A Crítica da Razão Indolente: Contra o desperdício da experiência.

Porto: Afrontamento

Sevenhuijsen, S. (1998). Citizenship and the Ethics of Care: Feminist considerations on

justice, morality and politics. London: Routledge.

Siraj-Blatchford, I., Sylva, K., Muttock, R., Gilden, R. e Bell, D. (2002). Researching Effective

Pedagogies in the Early Years. Research Report nº 356. London: Department of Education

and Skills.

Tronto, J. (1993). Moral Boundaries: A political argument for the ethics of care. London:

Routledge.

Vasconcelos, T. (2009). A Educação de Infância no Cruzamento de Fronteiras. Lisboa:

Texto.

Vasconcelos, T. (1998). Das perplexidades em torno de um hamster ao processo de

pesquisa: Trabalho de projeto na educação pré-escolar em Portugal. In: DEB (Org.).

Qualidade e Projeto na Educação Pré-Escolar. Lisboa: DEB/GEDEPE.

Vasconcelos, T. (1990). Imaginar o Currículo. Cadernos de Educação de Infância, 13: 18-20.

Vygotsky, L. (1978). Mind in Society. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Zabalza, M. (1987). Didáctica de la Educacion Infantil. Madrid: Narcea.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v1i3.67

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)