Processos criativos: a importância do olhar

Ana Maria Garcia Nolasco da Silva

Resumo


Pesquisas realizadas recentemente salientam o papel desempenhado pelas emoções no cerne dos processos cognitivos e, em particular, na criatividade, entendendo esta não como uma faculdade mas como um processo complexo e dinâmico, dependente de vários fatores intrínsecos e extrínsecos ao sujeito. Paralelamente, a abordagem pedagógica no domínio das artes modificou-se consideravelmente desde os anos 80, desviando a atenção da produção para o processo de conhecimento e o seu conteúdo. Essa alteração levou a uma mudança de paradigma: em vez de se introduzir cegamente os alunos nos detalhes e métodos da produção artística, isolando estes do seu contexto social, procura-se agora despertar neles o olhar estético. Como em Duchamp, tenta-se alcançar uma viragem qualitiva, do objeto para o contexto.

Texto Completo:

PDF

Referências


Aquino, T. S. (1969). Suma Teologica. Madrid: Ed. Católica.

Aristóteles (1996). Física. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas.

Arnheim, R. (2005). Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. S. Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Boden, M. A. (1995). Dimensions of creativity. Cambridge, Mass. London: The Mit Press.

Castro, G. & Carvalho, M. (coord.) (2006). A criatividade na educação: actas / Colóquio A Criatividade na Educação. Ponta Delgada: Universidade dos Açores.

Centre National d´Art et de Culture George Pompidou (org.) (2008). Évaluer les effets de l´éducation artistique et culturelle: Symposium européen et international de recherche. Paris: Centre Pompidou.

Damásio, A. R. (1999). The feeling of what happens: body and emotion in the making of the consciousness. New York; San Diego; London: Hartcout Brace & Company.

Damásio, A. R. (1994). Descartes´s error: emotion, reason, and the human brain. New York: Grosset/Putnam book.

Duchamp, M. (1990). Engenheiro do tempo perdido / entrevistas com Pierre Cabanne. Assírio & Alvim: Lisboa.

Duffy, B. (1998). Supporting creativity and imagination in the early years. Buckingam: Open University.

Gombrich, E. (1992). Topics of our time. Twentieth-century issues in learning and in art. London: Phaidon.

Guilford, J. (1994). Creatividad y educación. Barcelona: Paidós.

Florida, R. L. (2002). The rise of the creative class: how it´s transforming work, leisure, community and everyday life. New York: Basic Books.

Harrison, C. & Wood, P. (org.) (1998). Art in Theory 1815-1990. Blackwell, Oxford.

Harrison, C. & Wood, P. (org.) (1992). Art in Theory 1900-1990. Blackwell, Oxford.

Housen, A. (2000). Educação estética e artística: abordagens transdisciplinares. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian

Martínez, A. (1997). Criatividade, personalidade e educação. Camoinas, SP: Papirus.

Morais, M. F. (2001). Definição e Avaliação da Criatividade. Braga: Universidade do Minho – Centro de Estudos em Educação e Psicologia.

Munari, B. (1981). Fantasia, criatividade e imaginação. Lisboa: Presença.

Oliveira, E. (2010) . Educação estética visual eco-necessária na adolescência: sete décadas de design curricular em Portugal. Lisboa: Minerva.

Patrício, M. F. (org.) (2001). IV Congresso da AEPEC - Associação da Educação Pluridimensional e da Escola Cultural. Porto: Porto Editora.

Robinson, K. (2001). Out of our minds: learning to be creative. West Sussex: Capstone Publishing.

Sternberg, R. J. & Williams, W. M. (1999). Como desenvolver a criatividade do aluno. Porto: Asa.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v3i1.26

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)