Prática de Ensino Supervisionada em História e Geografia de Portugal no 2.º CEB: perspetiva crítica para a mudança

Alfredo Gomes Dias

Resumo


Tal como a prática de ensino, também as práticas de supervisão pedagógica realizadas durante a formação inicial de professores devem ser alvo de reflexão crítica com o objetivo de introduzir mudanças que melhorem a formação dos estudantes do Mestrado em Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico e de Português e História e Geografia de Portugal do 2.º Ciclo do Ensino Básico. Com este artigo pretendemos (i) construir um mapa conceptual que enquadre a prática de supervisão em História e Geografia, no 2.º ciclo; (ii) analisar os domínios que foram considerados prioritários nas observações realizadas durante a unidade curricular de Prática de Ensino Supervisionada II – 2.º ciclo; (iii) refletir criticamente sobre a prática de supervisão implementada nos últimos anos, na Escola Superior de Educação de Lisboa. Metodologicamente analisaram-se (1) os registos de observação reunidos durante a Prática de Ensino Supervisionada II – 2.º CEB, no âmbito daquele mestrado, entre os anos letivos de 2014/2015 e 2019/2020; (2) as reflexões produzidas pelos estudantes, no ano letivo de 2019/2020. Com esta análise foi possível identificar lacunas e fragilidades nas práticas de supervisão em História e Geografia de Portugal do 2.º CEB e identificar linhas de ação que poderão melhorar as atividades de acompanhamento dos estudantes e, desse modo, a sua formação, enquanto futuros professores de História e Geografia.


Texto Completo:

PDF

Referências


Alarcão, I. (Org.). (1996). Formação reflexiva de professores. Estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I. (Org.). (2000). Escola reflexiva e supervisão. Uma escola em desenvolvimento e aprendizagem. Porto: Porto Editora.

Alarcão, I. (2003). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez Ediciones.

Amado, J. (2000). A técnica de análise de conteúdo. Referência, 5, 53-63.

Amaral, M., Moreira, M. & Ribeiro, D. (1996). O papel do supervisor no desenvolvimento do professor reflexivo. Estratégias de supervisão. In Isabel Alarcão, Formação reflexiva de professores. Estratégias de supervisão (pp. 89-122). Porto: Porto Editora.

Dias, A. (2016). Do saber histórico à educação histórica [Estudo realizado para a obtenção do Título de Especialista na área da Formação de Educadores de Infância e de Professores do 1.º e 2.º Ciclo – Ciências Sociais]. Instituto Politécnico de Lisboa.

Dias, A & Hortas, M. J. (2015). Desenvolvendo competências investigativas em Estudo do Meio no 1.º CEB: abordagens a partir da didática da História e da Geografia. Saber & Educar, 20, 188-200.

Dias, A & Hortas, M. J. (2018). Competencias histórico-geográficas y formación inicial de profesores (6-12 años) en la ESELx. In Esther Torres, Carmen García Ruíz & María Agustí (Eds.), Buscando formas de enseñar: investigar para innovar en didáctica de las Ciencias Sociales (pp. 221-232). Valladolid: Ediciones Universidad de Valladolid / AUPDCS.

Dias, A.; Hortas, M. J.; Cabanillas, F. & Carretero, A. (2017). Educação histórico-geográfica e desenvolvimento de competências no ensino básico (6-12 anos). In Ana Cristina Câmara, Emília Sande Lemos & Maria. Helena Magro (Eds.), Livro de Atas do VIII Congresso Ibérico de Didática da Geografia. Educação Geográfica na modernidade Líquida (pp. 639-651). Lisboa: Associação de Professores de Geografia.

Estrela, A. (1994). Teoria e prática de observação de classes. Uma estratégia de formação de professores. Porto: Porto Editora.

Fusaro, D. (2018). Antonio Gramsci. La pasión de estar en el mundo. Madrid: Siglo XXI.

Guerra, I. (2002). Fundamentos e Processos de uma Sociologia de Acção. O Planeamento em Ciências Sociais. Cascais: Principia.

Hortas, M. J. & Dias, A. (2017a). Educação histórico-geográfica: desenvolvimento de competências na formação inicial de professores na ESELx. In Manuel Vara Pires, Cristina Mesquita, Rui Pedro Lopes, Graça Santos, Mário Cardoso, João Sousa, Elisabete Silva, Carlos Teixeira (Eds.). Livro de Atas do II Encontro Internacional de Formação na Docência (pp. 285-293). Bragança: Escola Superior de Educação de Bragança.

Hortas, M. J. & Dias, A. (2017b). Las actividades investigativas y la formación de maestros histórica y geográficamente competentes. In Ramón Medina; Roberto García-Moriz y Camen Ruiz (Eds.), Investigación en didácticas de las Ciencias Sociales. Retos, preguntas y líneas de investigación (pp. 169-178). Córdova: Universidade de Córdova / AUPDCS.

Houaiss, A. (2003). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (5 volumes). Lisboa: Temas e Debates.

Marques, A. (2010). Da construção do espaço à construção do território. Fluxos e Riscos, 1, 75-88.

Marx, K. & Engels, F. (1845/1982). Obras escolhidas (3 volumes). Lisboa: Edições Avante.

Ortega e Gasset, J. (2016). O que é a filosofia?. Lisboa: Cotovia.

Santos, M. (2000). O papel ativo da Geografia. Um manifesto. Revista Território Rio de Janeiro, 9 (V), 103-109. Acedido em 2 de setembro, 2020, de https://www.academia.edu/35988475/oPAPEL_ATIVO_DA_GEOGRAFIA_UM_MANIFESTO.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v11i1.225

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2021 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

       

                                                                                                                                                     2182-1372