Que professor investigador? para uma (possível) resposta, análise de relatórios de estágio de futuros docentes

Pedro Duarte, Ana Isabel Moreira

Resumo


Partindo da premissa que sugere que um professor é também um investigador, este artigo pretende explorar essa ‘faceta profissional’, mas a partir da experiência de alguns estudantes aquando da frequência de um mestrado profissionalizante para a docência.

Para tal, e recorrendo ao programa informático MAXQDA 2018, analisamos o conteúdo de 25 relatórios de estágios de alunos do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico selecionados aleatoriamente, tendo atentado em elementos vários, como as temáticas educativas investigadas, as motivações subjacentes às pesquisas ou a concertação entre os pressupostos metodológicos assumidos e os objetivos de investigação definidos.

No final, duas ou três considerações ganharam destaque: aqueles futuros docentes, para além de vivenciarem um momento elementar para o desenvolvimento da sua literacia investigativa, reconhecendo as várias dimensões inerentes ao processo, nem sempre são capazes de discernir a prática investigativa da prática pedagógica ou, ainda, distintos métodos de investigação.  


Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Alarcão, I. (2014). Desenvolvimento profissional, interação colaborativa e supervisão. In J. Machado & J.M. Alves (Coords.), Coordenação, Supervisão e Liderança (pp. 22-35). Porto: Universidade Católica Editora.

Alexander, C., Fox, J. & Gutierrez, A. (2019). Conceptualising Teacher Professionalism Education: Voices from Policy and Practice. In A. Gutierrez, J. Fox & C. Alexander (Eds.), Professionalism and Teacher (pp. 1-26). Springer: Singapore. doi:/10.1007/978-981-13-7002-1_1.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (4.ª ed.). Lisboa: Edições 70.

Ben-Peretz, M. & Flores, M.A. (2018). Tensions and paradoxes in teaching: implications for teacher education. European Journal of Teacher Education, 1-12. doi:10.1080/02619768.2018.1431216.

Biesta, G. (2015). Education, Measurement and the Professions: Reclaiming a space for democratic professionality in education. Educational Philosophy and Theory, 1-16. doi:10.1080/00131857.2015.1048665.

Biesta, G., Priestley, M. & Robinson, S. (2015). The role of beliefs in teacher agency. Teachers and Teaching, 21(6), 624-640. doi:10.1080/13540602.2015.1044325.

Bozu, Z. & Aránega, S. (2017). La formación inicial de maestros y maestras a debate¿ Qué nos dicen sus protagonistas? Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, 21(1), 143-163.

Canha, M.B. (2013). Colaboração em Didática: Utopia, desencanto e possibilidade. Tese de Doutoramento, Universidade de Aveiro, Departamento de Educação, Aveiro.

Carr, W. & Kemmis, S. (1986). Becoming Critical: Education, Knowledge and Action Research. London: Routledge Farmer.

Coutinho, C. (2013). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas (2.ª ed.). Coimbra: Edições Almedina.

Darling-Hammond, L. (2017). Teacher education around the world: What can we learn from international practice? European Journal of Teacher Education, 1-16. doi:10.1080/02619768.2017.1315399.

Day, C. (2013). Teacher Quality in the Twenty First Century: New Lives, Old Truths. Em X. Zhu & K. Zeichner (Eds.), Preparing Teachers for the 21st Century (pp. 21-38). Verlag: Springer. doi:10.1007/978-3-642-36970-4_13.

Duarte, P. & Moreira, A.I. (2018). Epistemologia na profissão docente: a perspetiva dos professores em formação sobre formação inicial, supervisão pedagógica e identidade profissional. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 1964-1994. doi:10.21723/riaee.unesp.v13.iesp3.dez.2018.11124.

Esteves, M. (2006). Análise de Conteúdo. ln J.A. Lima & J. Pacheco (Orgs.), Fazer Investigação: Contributos para a elaboração de dissertações e teses (pp. 105-126). Porto: Porto Editora.

Flick, U. (2015). El diseño de la investigación cualitativa. Madrid: Morata.

Flores, M.A. (2010). Algumas reflexões em torno da formação inicial de professores. Educação, 33(3), 182-188.

Flores, M.A. (2017). Contributos para (re)pensar a Formação de Professores em Portugal. In Lei de Bases do Sistema Educativo. Balanço e Prospetiva (Vol. II, pp. 773-810). Lisboa: Conselho Nacional de Educação.

Freire, P. (2000). Pedagogia da Indagação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP.

Gadamer, H.G. (1975). Truth and method. London: Sheed & Ward.

Giroux, H.A. (2018). The Public in Peril: Trump and the Menace of American. Routledge: New York.

Goodson, I.F. (2003). Professional Knowledge, Professional Lives: Studies in education and change. Philadelphia: Open University Press.

Hargreaves, A. (2013). Push, Pull and Nudge: The Future of Teaching and Educational Change. In X. Zhu & K. Zeichner (Eds.), Preparing Teachers for the 21st Century (pp. 217-236). Verlag: Springer. doi:10.1007/978-3-642-36970-4_13.

Hargreaves, A. & Fullan, M. (2012). Professional capital: transforming teaching in every school. New York: Teachers College Press.

Lopes, A. (2019). Still Building a Better World? Research Reflections on Teacher Education and Identity. In M. Kowalczuk-Walędziak, A. Korzeniecka-Bondar, W. Danilewicz & G. Lauwers (Eds.), Rethinking Teacher Education for the 21st Century: Trends, Challenges and New Directions (pp. 27-42). Opladen, Berlin & Toronto: Verlag Barbara Budrich.

Nóvoa, A. (2017). Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, 47(166), 1106-1133. doi:10.1590/198053144843.

Olsen, B. (2008). How Reasons for Entry into the Profession Illuminate Teacher Identity Development. Teacher Education Quarterly, 23-40.

Ro, J. (2018). Lost in Transition: Learning to Teach in the Era of Test-Based Accountability. In C. Wyatt-Smith & L. Adie (Eds.), Teacher Education, Learning Innovation and Accountability (pp. 51-64). Singapore: Springer. doi:10.1007/978-981-13-2026-2_4.

Roldão, M.C. (2004). Professores para quê?: para uma reconceptualização da formação de profissionais de ensino. Discursos: Perspetctivas em Educação, 95-120.

Roldão, M.C. (2005). Profissionalidade docente em análise: Especifidades dos ensinos superior e não superior. Nuances: estudos sobre a educação, 12(13), 105-127.

Roldão, M.C. (2017). Formação de professores e desenvolvimento profissional. Revista de Educação PUC-Campinas, 22(2), 191-202.

Sachs, J. (2015). Teacher professionalism: why are we still talking about it? Teachers and Teaching, 22(4), 1-13. doi:10.1080/13540602.2015.1082732.

Shulman, L.S. (1987). Knowledge and Teaching: Foundations of the New Reform. Harvard Educational Revew, 57(1), 1-21.

Stenhouse, L. (1980). The Teacher as Focus of Research and Development (pp. 1-17). Norwich: East Anglia University.

Stenhouse, L. (1983). The relevance of practice to theory. Theory Into Practice, 211-215. doi:10.1080/00405848309543063.

Strauss, A. & Corbin, J. (2002). Bases de la investigación cualitativa. Técnicas y procedimientos para desarrollar la teoría fundamentada. Colombia: Universidad de Antioquia.

Yin, R. (2018). Case Study Research and Applications: Design and Methods (6.ª ed.). Los Angeles: SAGE.

Zeichner, K. (2019). The Importance of Teacher Agency and Expertise in Education Reform and Policymaking. Revista Portuguesa de Educação, 32(1), 5-15. doi:10.21814/rpe.17669.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v10i1.204

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.