A interação adulto criança e a promoção da competência de escolha e de resolução de problemas com crianças de 4 e 5 anos

Mariana Paiva, Dalila Lino, Ana Maria Almeida

Resumo


A criança é por natureza questionadora, inquieta e age segundo os seus interesses e pensamentos. Através das escolhas as crianças iniciam atividades por que se interessam e aprendem sobre o mundo, sobre si e os outros, começando a resolver problemas de forma autónoma. Desta forma é importante adotar uma pedagogia que dê oportunidade à criança desenvolver a sua competência de escolha e a resolução autónoma de problemas. Assim, o principal objetivo do estudo apresentado é analisar e comparar o estilo de interação do educador com as competências de escolha e a resolução de problemas por parte das crianças. O estudo é de natureza qualitativa e a metodologia usada é a investigação-ação. Os dados são recolhidos através da observação participante e naturalista, que permitiu registar observações relativamente às competências de escolha e resolução de problemas por parte das crianças. Foi ainda aplicado o instrumento de Avaliação da Qualidade do Programa no Pré-Escolar High Scope (PQA), com o objetivo de avaliar e caracterizar as interações existentes entre o educador e a criança. Os dados recolhidos foram analisados através da análise de conteúdo categorial. A investigação desenvolveu-se numa sala de jardim de infância, com um grupo de 22 crianças com idades compreendidas entre os 4 e 5 anos. Os dados obtidos evidenciam a existência de uma relação entre a qualidade das interações adulto-criança e a competência de escolha e a resolução de problemas por parte das crianças. A análise dos dados sustenta-se nas teorias e as abordagens pedagógicas defendidas por Dewey, Malaguzzi e Vygotsky.


Texto Completo:

PDF

Referências


Dewey, J. (2002). A escola e a sociedade a criança e o currículo. Lisboa: Relógio D’ água

Edwards, C. (1999). Parceiro, promotor do crescimento e guia – os papéis dos professores de reggio em ação. In C. Edwards, L. Gandini & G. Forman (Eds.), As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância (159-176). Porto Alegre: Artmed.

Fernandes, D. (2008a). Avaliação de desempenho docente: desafios, problemas e oportunidades. Lisboa: Texto Editores.

Filippini, T,. (1999). O papel do pedagogo. In C. Edwards, L. Gandini & G. Forman (Eds.), As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância (pp 123-128). Porto Alegre: Artmed.

Folque, M.,A. (1999). A influência de Vigotsky no modelo curricular do Movimento da Escola Moderna para a educação pré-escolar. Escola Moderna, 5, 5-12.

Folque, M, A. (2014). O Aprender a Aprender no Pré-Escolar. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Hohmann, M. & Weikart, D. (2011). Educar a Criança (6.ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Lino, D. (2013). O modelo pedagógico em reggio emilia. In J. Formosinho (org.), Modelos curriculares para a educação de infância (4.ª ed.). – (pp. 109 - 140). Porto: Porto Editora.

Lino, D. (2014, setembro/dezembro). A qualidade do contexto na educação de infância perspetivada através da escolha e do envolvimento. Nuances, 25 (3), 137-154.

Máximo - Esteves, L. (2008). Visão Panorâmica da Investigação – Acção. Porto: Porto Editora

Moita, M. (2012). Para uma ética situada dos profissionais de educação de infância. Lisboa: Associação de Profissionais de Educação de Infância.

Niza, S. (2012). Escritos sobre Educação. Lisboa: Edições tinta da China.

Niza, S. (2013). O modelo curricular de educação pré-escolar da escola moderna portuguesa. In J. Formosinho (org.), Modelos curriculares para a educação de infância (4.ª ed.). – (pp. 141 - 160). Porto: Porto Editora.

Oliveira-Formosinho, J. & Formosinho, J. (2013). A perspetiva educativa da associação criança: a pedagogia-em-participação. In J. Formosinho (org.), Modelos curriculares para a educação de infância (4.ª ed.). – (pp. 25 - 60). Porto: Porto Editora.

Pimentel, A. (2007). Vygotsky: uma abordagem histórico-cultural da educação infantil. In Oliveira-Formosinho, J, Kishimoto, T & Pinazza, M. (Eds.), Pedagogia(s) da infância – dialogando com passado contruindo o futuro (pp. 219-248). Porto Alegre: Artmed.

Portugal, G. & Luís, H. (2016). A atenção à experiência interna da criança e estilo do adulto – contributo das escalas de empenhamento para a melhoria das práticas pedagógicas em educação de infância. Saber & Educar, 66-65.

Vala, A. & Guedes, M. (2015). A importância das interações na construção das aprendizagens. Escola Moderna, 6 (3) , 53-63

.

Vygotsky, L, S. (1991). A formação social da mente. (4.ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/vol1

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.