A nova política de formação de professores no Brasil: enquadramentos da base nacional comum curricular e do programa de residência pedagógica

Marilde Queiroz Guedes

Resumo


A formação de professores é reconhecida como uma temática central para a promoção da qualidade no sistema educacional e para implementar as políticas curriculares nacionais. O objetivo deste trabalho é, teoricamente, discutir a nova política de formação de professores lançada recentemente pelo governo brasileiro, e os enquadramentos dessa política dentro da Base Nacional Comum Curricular e do Programa de Residência Pedagógica, normativos que a completam. As análises preliminares revelam ser uma política impositiva, por não ter sido dialogada com as instituições formadoras, com os professores, com as escolas da educação básica, nem com as entidades científicas da educação. Os documentos oficiais Resolução CNE/CP 2/2017 e o Edital CAPES 6/2017, deixam claro o caráter retrógrado e centralizador dos órgãos governamentais frente à nova política, que inferimos ter o propósito de mascarar a ausência de ações concretas da governança federal, para assegurar as condições materiais necessárias à formação dos professores, desviando a atenção da sociedade sobre o contingenciamento dos recursos públicos destinados à educação pública. As fragilidades perpassam, dentre outras, pela violação das Diretrizes Curriculares Nacionais para formação de professor, preconizadas no Parecer e na Resolução CNE/CP n. 2/2015, e fere a autonomia universitária.


Texto Completo:

PDF

Referências


Almeida, M. I. de (2012). Formação do Professor do Ensino Superior: desafios e políticas institucionais. São Paulo: Cortez.

Almeida, M. I. de (2008). Ensino com pesquisa na licenciatura como base da formação docente. In: Traversini, C. et al. Trajetórias e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas. Porto Alegre: EDIPUCRG.

Brasil, Ministério da Educação. (2015). Resolução CNE/CP nº 2, de 01 de julho.

Brasil, Ministério da Educação. (2017). Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro.

Brasil, CAPES. Edital nº 06, de 03 de março de 2018 – Programa de Residência Pedagógica.

Fernandes, C. M. B. (2012). Qualidade da educação superior e formação inicial de professores. In: Cunha, M. I. da; Broilo C. L. (Orgs.). Qualidade da educação superior: grupos investigativos internacionais em diálogo. (p. 119-145). Araraquara, SP: Junqueira & Marin.

Flores M. A. (2003). Dilemas e desafios na formação de professores. In: Mor, M. C., PACHECO, J. A., EVANGELISTA, M. O. (Orgs.). Formação de professores: Perspectivas educacionais e curriculares, (pp. 127-160). Porto/PT: Porto Editora.

Freitas, H. C. L. de (2004). Novas políticas de formação: da concepção negada à concepção consentida. In: Barbosa, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores (pp. 89-115). São Paulo: UNESP.

Ghedin, E. (2004). Implicações das reformas no ensino para a formação de professores. In: Barbosa, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores (pp. 387-417). São Paulo: UNESP.

Guedes, M.Q; Oliveira, A. D. S. de (2011). Em tempos de educação à distância: dissensos e consensos por uma política de formação de professores. IV EDIPE – Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino. Goiânia.

Marcelo Garcia, C. (1995). Formación del professorado para el cambio educativo. Barcelona: EUB.

Marcelo Garcia, C. (1999). Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Manifesto das entidades educacionais sobre a política de formação de professores. (2017). Disponível em: htpp:/www.anpae.org.br/website/noticias/396-2017-10-22-01-19-40. Acesso em: 05/11/2017.

Manifesto das entidades face a Residência Pedagógica. (2018). Disponível em: htpp:/www.anpae.org.br/website/noticias/416-2018-03-07-17-51-12. Acesso em: 17/03/2018.

Mesquita, E. (2016). A visão dos futuros professores sobre (os) modelos de supervisão e respetivos fundamentos: entre a teoria e a aplicação. (Relatório de Pós-doutoramento). Porto. Universidade Católica Portuguesa.

NÓVOA, Antônio. (1999). O processo histórico de profissionalização do professorado. In: NÓVOA, Antônio (Org.). Profissão Professor (pp. 15-21). Portugal: Porto Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/vol1

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.