Gamificação como alternativa de ensino e interação com a sociedade

José André Villas Boas Mello, Leila Dainara Venceslau Santos de Gusmão, Daniel Ramos Feliciano, Fabiano Santos

Resumo


O objetivo deste trabalho foi desenvolver um projeto ludico de metodologia ativa de ensino aplicada à alunos ingressantes de engenharia e que possibilitasse a criação de um ambiente de estimulação do pensamento crítico sobre os conteúdos eficiência, transporte, e gestão. Esse projeto permitiu testar a gamificação como instrumento didático no processo de ensino e aprendizagem, despertando o interesse do aluno para a construção do conhecimento. O jogo desenvolvido como um projeto de extensão é composto por um tabuleiro, cinco pinos, um dado, quatro tipos diferentes de cartas, identificadas de acordo com o modo de transporte e um manual de instrução. Trata-se de um jogo de tabuleiro formulado para cinco jogadores, que partem de um polo gerador de viagem (PGV) localizado na cidade de Nova Iguaçu até outro localizado no bairro Tijuca da cidade Rio de Janeiro. É uma pesquisa qualitativa por ter como base o diálogo entre investigador e estudante em uma proposta intervencionista, que se utiliza do relato de experiência para descrever a experiência da atividade lúdica como recurso pedagógico. As rodadas experimentais detectaram que as regras e a escolha dos modos de transporte propostos foram bem percebidas e geraram conhecimento, sendo as criticas e contribuições absorvidas e dando origem ao instrumento didático revisado. O projeto possibilitou a criação de um ambiente de estimulação, permitindo testar e criar instrumentos didáticos como facilitadores do processo de ensino e aprendizagem, despertando o interesse do aluno.


Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Antp – Associação Nacional de Transportes Públicos. (2016). Relatório Comparativo 2003/2014– Sistema de Informações da Mobilidade Urbana da ANTP.

Azambuja, A. M. V. (2002). Análise de eficiência na gestão do transporte urbano por ônibus em municípios brasileiros. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Bandeira, A. C.; Kneib, E. C. (2017). Polos geradores de viagens e seus impactos na paisagem urbana: um estudo sobre o impacto de um Shopping Center em Goiânia - GO (Brasil). Cuadernos geograficos, 26(1), 187-200.

Butzke, M. A.; Alberton, A. (2017). Estilos de aprendizagem e jogos de empresa: a percepção discente sobre estratégia de ensino e ambiente de aprendizagem. REGE-Revista de Gestão, 24(1), 72-84.

Campos Neto, C. A. S. (2014). Investimentos na infraestrutura de transportes: avaliação do período 2002-2013 e perspectivas para 2014-2016. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília.

Campos, L.M.L. Bortoloto, T.M.; Felício, A.K.C. (2003). A Produção de Jogos Didáticos para o Ensino de Ciências e Biologia: Uma Proposta para Favorecer a Aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino, São Paulo, Brasil.

Castro, B. J.; Costa, P. C. F. (2011). Contribuições de um jogo didático para o processo de ensino e aprendizagem de Química no Ensino Fundamental segundo o contexto da Aprendizagem Significativa. Revista electrónica de investigación en educación en ciencias, 6(2).

Ceretta, S.B.N.; Froemming, L.M.S. (2015). City Marketing: Dimensões importantes para uma Cidade de Bem viver. Revista Produção e Desenvolvimento, 1(3), 67-79.

Huizinga, J. (2000). Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução de João Paulo Monteiro. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, (Coleção Estudos. Filosofia). Disponível em: < http://jnsilva.ludicum.org/Huizinga_HomoLudens.pdf >.

Medeiros, L.; Keller, S. C.; Sacchelli, C. M.; Garcia, T. R. (2014). Jogo dos modais em Joinville: conhecendo as alternativas do sistema urbano de transporte. Anais do XLII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. Juiz de Fora/MG.

Mello, J. A. V. B., Afonso, H. C. A.G., Orrico Filho, R. D., & Mello, A. J. R. (2015). Morfologia Urbana e o Sistema BRT na Rede de Transporte Regional da Cidade do Rio de Janeiro. Revista ESPACIOS, 36(1).

Mendes, M.; Panozzo, N. S. P. (2016). O jogo Banco Imobiliário Sustentável e os conceitos de educação para a sustentabilidade na infância. Revista eletrônica Desenvolvimento e Meio Ambiente, 39, 251-272.

Moraes, J.V., Castellar, S.M.V. (2018). Metodologias ativas para o ensino de Geografia: um estudo centrado em jogos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 17(2), 422-436.

Pedroso, F. F. F.; Lima Neto, V. C. (2015). Transportes e metrópoles: aspectos da integração em regiões metropolitanas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília.

Pedroza, T.; Ferreira, T.; Graças Cleophas, M. (2017). Desenvolvimento e avaliação de Jogos Educativos Digitais (JED) sobre a temática água: um estudo de caso utilizando a ferramenta GameMaker: Studio. RENOTE, 15(2).

Pereira, R. H. M.; Schwanen, T. (2013). Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília.

Pinto, C. L.; Tavares, H. M. (2010). O lúdico na aprendizagem: apreender e aprender. Revista da Católica, Uberlândia, 2(3), 226-235.

Rico-Bautista, D.; Rojas, L.L.H.; Castrillón, A.S. (2017). La gamificación y arquitectura funcional: estrategia práctica en el proceso de enseñanza/aprendizaje usando la tecnología. Revista Ingenio UFPSO, 14(1), 123-136.

Silva, E.K.S.; Lima, J.P.F.; Ferreira, M.L. (2016). “Descobrindo os elementos químicos”: jogo lúdico proporcionando uma aprendizagem significativa sobre a tabela períodica. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, 1(Esp).

Silva, I.C.S.; Bittencourt, J.R. (2016). Game thinking is not game design thinking! Uma proposta de metodologia para o projeto de jogos digitais. Proceedings of the XV SBGames, 295-304.

Silva, V. F. G. (2011). Impactes da Mobilidade no Modelo Urbano: A Sustentabilidade do Transporte Público. Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa.

Souza, G.A. (2015). Produção do espaço e mobilidade urbana: na contramão da sustentabilidade. Revista Produção e Desenvolvimento, 1(3), 42-51.

Teixeira, G. M. R.; Lima, R. P. (2015). A sustentabilidade do sistema de transportes do Rio de Janeiro. UFRJ, Escola Politécnica, Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v9i2.163

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.