Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas das educadoras e das mães com crianças em idade pré-escolar

Autores

  • Isabel Barroso Parkids
  • Andreia Ferreira AFID Geração
  • Isabel Fernandes Serviços de Educação de Infância da Santa Casa da Misercórdia de Oeiras
  • Miguel Branco ABEI, Associação para o Bem Estar Infantil Vila Franca de Xira
  • Ana Ladeiras AFID CRZ
  • Filipe Brás Pinto Estudante de Mestrado, Escola Superior de Educação de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa
  • Catarina Veloso Ministério da Educação, Agrupamento de Escolas Santa Catarina
  • Holger Brandes Evangelische Hochschule Dresden (Protestant University of Applied Sciences for Social Work, Education and Nursing)
  • Otília Sousa Instituto de Educação da Universidade de Lisboa
  • Marina Fuertes Centro de Psicologia da Universidade do Porto

DOI:

https://doi.org/10.25757/invep.v7i1.117

Resumo

Os educadores de infância, na ausência dos pais, asseguram cuidados e garantem o bem estar da criança bem como a sua educação e desenvolvimento. A criança estabelece com a maioria dos educadores uma relação afetiva privilegiada mas não de vinculação. O estudo das diferenças e semelhanças entre estes dois tipos de relação permite averiguar a diversidade de relações proporcionadas à criança o contributo da formação profissional das educadoras no estabelecimento da relação com as crianças. Neste estudo, mães e educadoras são observadas independentemente, na mesma situação quasi-experimental com a criança, como parceiros numa atividade lúdica de construção, sendo analisada a qualidade interativa e comunicativa das díades. Para o efeito, foi pedido a 19 díades mãe-filho(a) e 22 díades educadora-criança que realizassem, em 20 minutos, um produto à sua escolha com os materiais e ferramentas disponibilizadas. As crianças tinham entre 3 e 5 anos sem problemas de desenvolvimento. Pretendia-se: 1) descrever e comparar os produtos realizados pelas díades maternas e de educadoras, bem como as escolhas de materiais; 2) comparar a qualidade interativa das mães e das educadoras quanto à empatia, atenção, reciprocidade, cooperação, elaboração/fantasia e desafio proposto; e 3) a qualidade da comunicação quanto ao uso de sugestões, perguntas, ordens, elogios e críticas. Os dados indicam que as educadoras deram mais espaço para a atuação da criança enquanto as mães estavam mais centradas no cumprimento do tempo e no aprimoramento do produto. As mães usaram o reforço verbal para organizar a atividade, impor limites/regras e motivar a criança enquanto as educadoras recorreram à comunicação oral para ensinar conteúdos e para dirigir atividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Ana Ladeiras, AFID CRZ

 

Filipe Brás Pinto, Estudante de Mestrado, Escola Superior de Educação de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa

 

Referências

Aguiar, C., Cruz, O., Barros, S. & Bairrão, J. (2005). Perfis interactivos maternos e envolvimento das crianças em contexto de creche. In J. Bairrão Desenvolvimento: Contextos familiares e educativos (pp. 74-97). Porto: Livpsi.

Ainsworth, M. D., Bell, S., & Stayton, D. (1974). Infant mother attachment and social development: “socialization” as a product reciprocal responsiveness to signals. In J. M. Richards (Ed.) Integration of a Child into a Social World (pp. 9-135). Cambridge: Cambridge University Press.

Alves, M., Fuertes, M., & Sousa, O. (2014). Comportamentos interativos mãe-filho e pai-filho aos 15 meses de vida. Estudo exploratório apresentado no II Encontro de Mestrado em Educação, Escola Superior de Educação de Lisboa: Lisboa.

Alves, M. J., Fuertes, M., & Sousa, O. (2014). Estudo da qualidade da interação e da fala dirigida por pais e mães. Atas do VII Encontro Nacional da Língua Portuguesa, 7, 16-17.

Arnett, J. (1989). Caregivers in day-care centers: Does training matter? Journal of Applied Developmental Psychology, 10, 541-552.

Berk, L. (1985). Relationship of caregiver education to child-oriented attitudes, satisfaction, and behaviors toward children. Child Care Quarterly, 14 (2), 103-129.

Bowlby, J. (1969). Attachment and loss (Vol. I) London: Penguin Book.

Brandes, H. Andra, M., Roseler, W., & Schneider-Andrich, P. (2012). Does Gender Make a Difference? Tandem study as a pedagogical activity of female and male ECE workers. Paper presented on the international conference “Men in early childhood education and care”, Berlin 2012.

Brandes, H., Andra, M., Roseler, W. & Schneider-Andrich, P. (2015). Does gender make a difference? Results from the German “tandem study” on the pedagogical activity of female and male ECE workers. European Early Childhood Education Research Journal. 23(3), 315-327. doi: 10.1080/1350293X.2015.1043806.

Bredekamp, S. & Couple, C. (Eds.). (1997). Developmentally appropriate practice in early childhood. Revised Edition. Washington, DC: National Association for the Education of Young Children.

Bronfenbrenner, U. & Morris, P. A. (1998). The ecology of developmental process. In W. Damon (Series Ed.), & R. M. Lener (Vol. Ed.), Handbook of child psychology. 1, Theoretical models of human development. Nova York: Willey Press.

Burns, M., Griffin, P., & Snow, C. (1998). Preventing reading difficulties in young children. Washington D.C: National Academy Press; 1998.

de Kruif, R. E. L. & McWilliam, R. A. (1999). Multivariate relationships among developmental age, global engagement, and observed child engagement. Early Childhood Research Quarterly, 14, 515-536.

de Kruif, R. E. L., McWilliam, R. A., & Ridley, S. M. (2001). Effects of child characteris¬tics and teacher interaction behaviors on children’s observed engagement (under re¬view). University of North Carolina at Chapel Hill.

de Wolff, M. & van Ijzendoorn, M. (1997). Sensitive and attachment: A metaanalysis on parental antecedents of infant attachment. Child Development, 68, 4, 571-591.

Dunst, C. J., McWilliam, R. A., & Holbert, K. (1986). Assessment of preschool classroom environments. Diagnostique, 11, 212-232.

Faria, A., Lopes dos Santos, P., Beeghly, M., & Fuertes, M. (2015). The effects of parental sensitivity and involvement in caregiving on mother-infant and father-infant attachment in a Portuguese sample. Journal of Family Psychology (Epub ahead of print).

Faria, A., Lopes dos Santos, P., & Fuertes, M. (2014). Pais e mães protegem, acarinham e brincam de formas diferentes. Análise Psicológica, 32 (4), 419 – 437.

Fernandes, I. (2015). Será do género dos filhos ou dos Pais? Estudo sobre o efeito do género das crianças e dos pais na qualidade da interação, comunicação e atividade conjunta. Tese de Mestrado. Tese não publicada. Escola Superior de Educação de Lisboa: Lisboa.

Ferreira, A. (2015). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas de educadores e educadoras com crianças em idade pré escolar. Tese de Mestrado. Tese não publicada. Escola Superior de Educação de Lisboa: Lisboa.

Fuertes, M. (2005). Rotas da Vinculação – O desenvolvimento do comportamento interativo e a organização da vinculação no primeiro ano de vida do bebé prematuro. Tese de Doutoramento. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto: Porto.

Fuertes,M. (2011). Estudo exploratório sobre a classificação da vinculação atípica: Desorganização ou adaptação? Psychologica, 52, 349-370.

Fuertes, M. (2010). Se não pergunta como sabe? Dúvidas dos pais sobre a educação de infância. In 4.º Encontro de Investigação e Formação – CIED. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa/Instituto Politécnico de Lisboa.

Fuertes, M., Faria, A., Soares, H., & Crittenden, P. (2008). Mother-child patterns of interaction: The impact of premature birth and social economical background. Actha Ethologica, 12(1), 1-11.

Fuertes, M., Lopes dos Santos, P., Beeghly, M., & Tronick, E. (2006). More than maternal sensitivity shapes attachment: Infant coping and temperament. Annals New York Academy of Science, 1094, 292-296.

Fuertes, M., Lopes-dos-Santos, P., Beeghly, M., & Tronick, E. (2009). Infant coping and maternal interactive behavior predict attachment in a Portuguese sample of healthy preterm infants. European Psychologist, 4, 320-331.

Fuertes, M., Faria, A., Soares, H., Oliveira-Costa, A., Corval, R., & Figueiredo, S. (2009). Dois parceiros, uma só dança: Contributos do estudo da interação mãe-filho para a Intervenção Precoce. In G. Portugal (Ed.), Ideias, projectos e inovação no mundo das infâncias – O percurso e a presença de Joaquim Bairrão (pp.127-140). Aveiro: Universidade de Aveiro.

Hart, B., & Risley, T. R. (1995). Meaningful differences in the everyday experience of young American children. Baltimore, MD: Brookes.

Hoff, E. (2003). The specificity of environmental influence: socioeconomic status affects early vocabulary development via maternal speech. Child development 74: 68-78.

Kim, J., & Mahoney, G. (2004). The effects of mother’s style of interaction on children’s engagement: Implications for using responsive interventions with parents. Topics in Early Childhood Special Education, 24, 31-38.

McWilliam, R. A., & Bailey, D. B. (1992). Promoting engagement and mastery. In D.B. Bailey, & M. Wolery (Eds.). Teaching infants and preschoolers with disabilities 2nd ed. (pp.230-255).New York: Mac Millan Publishing Company.

McWilliam, R. A., & Bailey, D. B. (1995). Effects of classroom social structure and disabili¬ty on engagement. Topics in Early Childhood Special Education, 15, 123-147.

McWilliam, R.A., Scarborough, A.A., & Kim, H. (2003). Adult interaction and child engagement. Early Education and Development, 14 (1), 7-27.

McWilliam, R. A., Trivette, C. M., & Dunst, C. J. (1985). Behavior engagement as a mea¬sure of the efficacy of early intervention. Analysis and Intervention on Developmental Disabilities, 5 59-71.

Meltzoff, A. (1999). Born to learn: What Infants Learn from Watching Us. IN Fox, N. & Warhol, J.G. (Eds.), The Role of Early Experience in Infant Development, Skillman, NJ: Pediatric Institute Publications.

Monteiro, L., & Veríssimo, M. (2010). Análise do fenómeno de base segura em contexto familiar: A especificidade das relações criança/mãe e criança/pai. Lisboa: FCT / Gulbenkian

Morris, D. (1980). Infant attachment and problem solving in the toddler: Relations to mother’s family history. Unpublished doctoral dissertation, University of Minnesota.

National Institute of Child Health and Human Development (NICHD) Early Child Care Research Network. (2000). The relation of child care to cognitive and language development. Child Development, 71, 960-980.

Pederson, D. R., & Moran, G. (1996). Expressions of the attachment relationship outside of the Strange Situation. Child Development, 67 (3), 915-927.

Raspa, M. J., McWilliam, R. A., & Ridley, S. M. (2001). Child care quality and children’s engagement. Early Education and Development, 12, 209-224.

Rowland, C.F., Pine, J.M., Lieven, E.V.M., & Theakston, A.L. (2003). Determinants of acquisition order in why-questions: re-evaluating the role of caregiver speech. Journal of Child Language, 30, 609 – 635.

Shimpi, P., Akhtar, N. & Moore, C. (2013). Toddlers’ imitative learning in interactive and observational contexts: The role of age and familiarity of the model. Journal of Experimental Child Psychology, 116, 309–323.

Sousa, O. C. (2015). Textos e Contextos: leitura escrita e cultura letrada. Lisboa: Media XXI.

Veloso, C. (2015). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas dos educadores e dos pais com crianças em idade pré escolar. Tese de Mestrado. Escola Superior de Educação de Lisboa: Lisboa.

Veneziano, E. (2014). Interactions langagières, échanges conversationnels et acquisition du langage. Contraste, 39, 1, 31-49.

Veríssimo, M., Monteiro, L., & Santos, A. J. (2006). Para além da mãe: A vinculação na tríade mãe-pai-criança. In J. C. Coelho Rosa & S. Sousa (Eds.), O caderno do bebé (pp. 73-85). Lisboa: Fim de Século.

Veríssimo, M., Santos, A. J., Vaughan, B. E., Torres, N., Monteiro, L., & Santos, O. (2011). Quality of attachment to father and mother and number of reciprocal friends. Early Child Development and Care, 181, 27-38.

Vygotsky, L. S. (1978) Mind in Society. The Development higher psychological processes. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

Weizman, Z., & Snow, C. (2001). Lexical input as related to children’s vocabulary acquisition:

effects of sophisticated exposure and support for meaning. Developmental Psychology, 37, 265 – 279.

Wilcox-Herzog, A., & Ward, S. L. (2004). Measuring teachers’ perceived interactions with children: A tool for assessing beliefs and intentions. Early Childhood Research & Practice, 6 (2), 1-16.

Downloads

Publicado

24-03-2017

Como Citar

Barroso, I., Ferreira, A., Fernandes, I., Branco, M., Ladeiras, A., Pinto, F. B., Veloso, C., Brandes, H., Sousa, O., & Fuertes, M. (2017). Estudo sobre as diferenças interativas e comunicativas das educadoras e das mães com crianças em idade pré-escolar. Da Investigação às Práticas: Estudos De Natureza Educacional, 7(1), 41–62. https://doi.org/10.25757/invep.v7i1.117

Edição

Secção

Artigos