A Inclusão De Alunos Com Problemáticas Graves: revisão de dissertações e projetos de investigação realizados no âmbito do Mestrado em Educação Especial da ESELx

Francisco Vaz da Silva

Resumo


Este artigo pretende passar em revista de um conjunto de trabalhos, Dissertações e Projetos de Intervenção, realizados no âmbito do Mestrado em Educação Especial da Escola Superior de Educação de Lisboa, relacionados com a inclusão de alunos com problemáticas graves. O nosso propósito foi dar conta da investigação que se tem produzido no âmbito do curso, focando a emergência de temáticas relacionadas com a inclusão, de estudos iniciais de carácter descritivo e exploratório (ex: descrição de contextos e práticas educativas, percepções dos docentes sobre a inclusão) a, mais recentemente, estudos com objectivos mais precisos (ex: estudos sobre as interacções entre pares, a utilização de tecnologias de apoio à comunicação e aprendizagem) e projectos de intervenção (ex: inclusão de alunos com problemas graves em actividades com alunos com desenvolvimento típico, formação de Assistentes Operacionais). A nossa revisão foca-se também na evolução das metodologias adotadas (progressivo recurso a fontes diversificadas de informação e a dados de observação direta). Estes trabalhos, finalizados entre 2010 e 2012, são aqui revistos organizados em função de linhas de investigação. Nas notas finais apresentam-se sugestões de possíveis estudos futuros.

Texto Completo:

PDF

Referências


Benard da Costa, A.M. (2006). A educação inclusiva 10 anos após Salamanca: Reflexões sobre

o caminho percorrido. In D. Rodriges (Org.), Educação inclusiva. Estamos a fazer progressos?

(pp. 13-29). Lisboa: FMH.

Berimbau, M.L. (2012). Domínio e uso das tecnologias de apoio à comunicação e aprendizagem a

crianças e jovens com necessidades educativas especiais, pelos professores de educação especial.

Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Bernardo, A.I. (2010). A inclusão de um aluno com MD na escola: Estudo dos comportamentos de

interação entre pares. Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Cristina, L. (2010). Interações comunicativas numa criança com Síndrome de Costello. Projeto de

Intervenção, Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Ladeira, F. & Amaral, I. (1999). Alunos com multideficiência nas escolas de ensino regular. Lisboa:

Ministério da Educação, Departamento da Educação Básica.

DEC/NAEYC. (2009). Early childhood inclusion: A joint position statement of the Division for Early

Childhood (DEC) and the National Asociation for the Education of Young Children (NAEYC). Chapel

Hill: The University of North Carolina, FPG Child Development Institute.

Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de Janeiro. Diário da República, 1ª série, nº 4.

Decreto-Lei nº 319/1991 de 23 de Agosto. Diário da República, 1ª série – A.

Dinis,, A.S. (2011). As tecnologias na surdocegueira adquirida como forma de apoio à autonomia,

comunicação, escolarização e lazer. Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Freitas, F. (2010). Envolvimento das Auxiliares de Ação Educativa no processo educativo da criança

com MD. Projeto de intervenção, Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Freitas, S. (2011). Incluir e aprender: O percurso de um aluno com PEA numa turma do 1º Ciclo.

Projeto de intervenção, Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Joaquim, S.I. (2011). As representações das educadoras de infância na inclusão de crianças com

NEE. Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Madureira, I. & Leite, T.S. (2003). Necessidades Educativas Especiais. Lisboa: Universidade Aberta.

Ministério da Educação (ME). (2004). Projectos desenvolvidos e financiados ao abrigo do nº 11 da

Portaria 1103/97. Lisboa: ME, NOEEE.

FRANCISCO VAZ DA SILVA | A INCLUSÃO DE ALUNOS COM PROBLEMÁTICAS GRAVES: REVISÃO DE DISSERTAÇÕES | 17

E PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO REALIZADOS NO ÂMBITO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DA ESELX

Ministério da Educação (ME). (2009). Educação inclusiva: Da retórica à prática. Resultados do

plano de acção 2005-2009. Lisboa: ME, DGIDC.

Nunes, I. (2010). Planeamento educativo e programação de actividades para alunos com MD.

Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.

Rebelo, M.C. (2011). Concepções e práticas de professores do 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico face à

inclusão de crianças com necessidades educativas especiais. Dissertação de Mestrado em

Educação Especial, ESELx.

Rodrigues, D, (2003). Educação inclusiva. As boas e as más notícias. In D. Rodrigues (Org.),

Perspectivas sobre a inclusão. Da educação à sociedade (pp. 89-101). Porto: Porto Ed.

Rosa, F.M. (2010). Inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no 2º Ciclo do Ensino

Básico: A perspectiva dos seus pares. Dissertação de Mestrado em Educação Especial., ESELx.

Rubin, K.H., Bukowski, W. & Parker, J.P. (1998). Peer interactions, relationships, and groups.

In W. Damon (Ed.), Handbook of Child Psychology (vol.3) (pp.619-700). NY: Wiley and Sons.

Silva, A.F. (2011). Adequações curriculares e estratégias de ensino em turmas inclusivas: Um estudo

exploratório no 1º Ciclo. Dissertação de Mestrado em Educação Especial ESELx.

Simeonsson, R. (1994). Towards an epidemiology of developmental, educational, and social

problems of childhood. In R.J. Simeonsson (Ed.), Risk, resilience & prevention. Promoting the wellbeing

of all children. Baltimore: P.H. Brookes.

UNESCO. (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: Satisfação das

necessidades básicas de aprendizagem

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na áM. (2011). O uso das TIC em salas inclusivas. Atitudes e práticas de professores do 1º ciclo.

Dissertação de Mestrado em Educação Especial, ESELx.rea das

necessidades educativas especiais

Warnock Report (1978). Special Educational Needs. Report of the Committee of Enquiry into the

Education of Handicapped Children and Young People. London: Her Majesty's Stationery Office.

Xavier, L.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/invep.v2i2.47

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c)