Formação contínua de professores de Português do Ensino Básico em São Tomé e Príncipe: uma proposta de oficina de formação sobre ensino e avaliação da escrita

Ana Rita Gorgulho, Leonor Santos, Nilza Costa, Antónia Luísa Sousa

Resumo


São Tomé e Príncipe (STP) apresenta um elevado número de professores sem habilitação profissional para a docência, situação que se deve, em parte, à tentativa de cumprimento da meta de universalização do ensino obrigatório, definida pela UNESCO[1] . Reconhecendo-se que a formação contínua (FC) oferece aos professores a oportunidade de se desenvolverem profissionalmente, nomeadamente em contextos em que educação e formação são consideradas alicerces estruturantes para o progresso do país[2], está em curso um estudo em torno da FC, centrado no ensino e avaliação da escrita em Língua Portuguesa (LP), numa perspetiva de cooperação para o desenvolvimento na formação de professores.  Neste âmbito, seguindo uma abordagem qualitativa em que se privilegiou a análise documental (estudos sobre o contexto) e de conteúdo (respostas a um questionário), e com base na revisão de literatura sobre FC e ensino e avaliação da produção escrita, concebeu-se uma oficina de formação (OF) destinada a professores são-tomenses de LP do 2.º ciclo do ensino básico. A principal finalidade deste artigo é descrever, sustentadamente, a OF, concebida com base no pressuposto de que o desenvolvimento profissional decorre da articulação entre a formação e o contexto educativo.

[1] Cf. Education for All 2000-2015: achievements and challenges (UNESCO, 2015).

[2] Eixo da Educação de Excelência e Formação Profissionalizante, do Programa do XVII Governo Constitucional de STP (Governo de São Tomé e Príncipe, 2018).


Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Afonso, H. L. (2009). Interferências linguísticas: um contributo para o ensino da língua portuguesa em S. Tomé e Príncipe. Dissertação de Mestrado em Língua e Cultura Portuguesa. Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras. Retrieved from http://repositorio.ul.pt/handle/10451/480

Alves, M. F., & Meira, V. L. (2018). A sequência didática no contexto do Ensino Fundamental: relações entre a concepção docente e o planejamento de atividades. Soletras - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, 35, 274–294. https://doi.org/10.12957/soletras.201831802

Aragão, J. C., & Santos, L. (2019). A língua portuguesa no currículo escolar de São Tomé e Príncipe: desafios e potencialidades. In M. Teixeira (Ed.), Estudos da Língua Portuguesa - A União na Diversidade (pp. 209–245). Santarém: Instituto Politécnico de Santarém - Escola Superior de Educação.

Barreira, C. (2019). Conceções e práticas de avaliação formativa e sua relação com os processos de ensino e aprendizagem. In M. I. R. Ortigão, D. Fernandes, T. V. Pereira & L. Santos (Orgs.), Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: Perspectivas teóricas e de desenvolvimento (pp. 192-218). Curitiba: CRV.

Basto, O. M. (2017). (Re)Pensar e (re)fazer a avaliação das aprendizagens: o papel da supervisão colaborativa em contexto escolar. Tese de Doutoramento em Ciências da Educação, Especialização em Supervisão Pedagógica. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação.

Bennett, R. E. (2011). Formative assessment: a critical review. Assessment in Education: Principles, Policy & Practice, 18(1), 5–25. https://doi.org/10.1080/0969594X.2010.513678

Costa, N., Lopes, B., Lucas, M., Cabrita, I., Gonçalves, M., & Diogo, S. (2017). Estudo de Avaliação Externa à Reforma do Ensino Secundário de São Tomé e Príncipe (2009-2016): Relatório final. Aveiro: Universidade de Aveiro. Retrieved from http://blogs.ua.pt/cidtff/wp-content/uploads/2018/10/Relatorio_Final_STP.pdf

Darling-Hammond, L. (2008). Knowledge for teaching. What do we know? In M. Cochran-Smith, S. Feiman-Nemser, D. J. McIntyre, & K. Demers (Eds.), Handbook of Research on Teacher Education. Enduring Questions in Changing Contexts (3rd ed., pp. 1316–1323). New York: Routledge, Taylor & Francis Group/ Association of Teacher Educators.

Direcção de Estatística e Planeamento (2019). Boletim Estatístico da Educação 2017-2018. São Tomé, São Tomé e Príncipe.

Dolz, J., Gagnon, R., & Decândio, F. (2010). Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas SP: Mercado de Letras.

Dolz, J., Noverraz, M., & Schneuwly, B. (2010). Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In B. Schneuwly & J. Dolz (Eds.), Gêneros orais e escritos na escola (2nd ed., pp. 81–108). Campinas SP: Mercado de Letras.

Fernandes, D. (2019). Para um Enquadramento Teórico da Avaliação Formativa e da Avaliação Sumativa das Aprendizagens Escolares. In M. I. R. Ortigão, D. Fernandes, T. V. Pereira & L. Santos (Orgs.), Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: Perspectivas teóricas e de desenvolvimento (pp. 139-164). Curitiba: CRV.

Fernandes, D. (2013). Avaliação em Educação: uma discussão de algumas questões críticas e desafios a enfrentar nos próximos anos. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Em Educação, 21(78), 11–34. https://doi.org/10.1590/S0104-40362013005000004

Gomes, M. M. (2014). Efeitos da formação de professores na promoção de capital de conhecimento em São Tomé e Príncipe - O coletivo de história. Dissertação de Mestrado em Supervisão Pedagógica. Lisboa: Universidade Aberta, Departamento de Educação e Ensino a Distância. Retrieved from http://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/4001

Gonçalves, M. de L. S. (2011). Desenvolvimento profissional e educação em línguas: potencialidades e constrangimentos em contexto escolar. Tese de Doutoramento em Educação. Aveiro: Universidade de Aveiro, Departamento de Educação.

Gorgulho, A. R., Costa, N., & Teixeira, M. (2018). Ensino e Aprendizagem da Língua Portuguesa: Proposta para Avaliação do Programa do Ensino Básico São-Tomense. Revista Espaço Do Currículo, 11(1), 71–83. https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2018v1n11.35694

Gorgulho, A. R., Costa, N., Teixeira, M., & Santos, L. (2018). Ensino e avaliação da escrita no 2.o ciclo do ensino básico em São Tomé e Príncipe – Enquadramento para uma oficina de formação. Indagatio Didactica, 10(5), 87–109. Retrieved from http://revistas.ua.pt/index.php/ID/article/view/11615

Governo de São Tomé e Príncipe. (2018). PROGRAMA DO XVII GOVERNO CONSTITUCIONAL 2018 (documento policopiado). São Tomé, São Tomé e Príncipe.

Hadji, C. (1994). A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora.

Instituto Nacional de Estatística. (2014). Características Educacionais da População, IV Recenseamento Geral da População e Habitação - 2012. São Tomé, São Tomé e Príncipe: INE. Retrieved from http://www.ine.st/Documentacao/Recenseamentos/2012/TemasRGPH2012/11CARACTERISTICAS EDUCACIONAIS DA POPULACAO Recenseamento 2012.pdf

Lourenço, M., Andrade, A. I., & Martins, F. (2017). Formar para a diversidade linguística e cultural na educação infantil: possibilidades de construção de conhecimento profissional. Revista Internacional de Formação de Professores (RIFP), 2(2), 76–99.

Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação [MECCC]. (2016). AVALIAÇÃO AFERIDA DE LARGA ESCALA NO ENSINO BÁSICO – AALEEB. Ano lectivo 2015-2016. São Tomé: Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação.

Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação [MECCC]. (2017). Relatório de Avaliação Aferida de larga escala no Ensino Secundário (9a e 12a classes). Ano Lectivo 2016-2017. São Tomé: Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação.

Ministério da Educação, Cultura e Ciência de São Tomé e Príncipe [MECC]. (s.d.). Programa Acelerar o Desempenho Educativo 2015-2018. Retrieved from http://mecc.gov.st/index.php/publicacoes/item/736-programa-acelerar-o-desempenho-educativo-2015-2018

Ministério da Educação, Cultura e Formação [MECF]. (2012). Carta de Política Educativa de São Tomé e Príncipe, Visão 2022. São Tomé e Príncipe: Ministério da Educação, Cultura e Formação.

Ministério da Educação e Cultura [MEC]. (2010). Proposta Curricular do Ensino (1.a a 4.a classe). Revisão Curricular dos Programas para a 5.a e 6.a classes do Ensino Básico da República Democrática de S. Tomé e Príncipe. São Tomé, São Tomé e Príncipe: MEC/UNICEF.

Morais, A. G., & Silva, A. da (2007). Produção de textos escritos e análise lingüística na escola. In T. F. Leal & A. C. P. Brandão (Orgs.), Produção de textos na escola: reflexões e práticas no Ensino Fundamental (pp. 135-150). Belo Horizonte: Autêntica.

Niza, I., Segura, J., & Mota, I. (2011). Guião de implementação do programa de português do ensino básico - Escrita. Lisboa: Ministério da Educação/Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. Retrieved from https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Basico/Metas/Portugues/escritaoriginal.pdf

Pereira, D. (2006). Crioulos de Base Portuguesa. Lisboa: Caminho.

Pereira, L. Á., & Cardoso, I. (2013). A sequência de ensino como dispositivo didático para a aprendizagem da escrita num contexto de formação de professores. In L. Á. Pereira & I. Cardoso (Eds.), Reflexão sobre a escrita: o ensino de diferentes géneros de textos (pp. 33–65). Aveiro: UA Editora.

Pereira, L. Á., & Graça, L. (2015). Contributos para a aprendizagem da escrita: dos princípios de ação à sequência de ensino como eixo da aprendizagem da produção de textos. Exedra, 195-208. Retrieved from http://www.exedrajournal.com/wp-content/uploads/2015/07/10-195-208-LUISA-E-LUCIANA.pdf

Pereira, L. Á., Graça, L., & Carnin, A. (2014). Modelos de formação para o ensino da escrita em Portugal e no Brasil. Revista Da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, 23(41), 129–137.

Pereira, M. L. Á. (2002). Das palavras aos actos. Ensaios sobre a escrita na escola. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional. Ministério da Educação.

Pinto, M. O. (2018). Modelo didático do género exposição escrita: identificação e avaliação dos resultados da sua implementação na qualidade dos textos que os alunos produzem. D.E.L.T.A., 34(4), 1213–1241.

Reto, L., Machado, F. L., & Esperança, J. P. (2016). Novo Atlas da Língua Portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda.

Roldão, M. do C., & Ferro, N. (2015). O que é avaliar? Reconstrução de práticas e conceções de avaliação. Estudos Em Avaliação Educacional, 26(63), 570–594. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.18222/eae.v26i63.3671

Santos, L., Afonso, B., & Penhor, M. (2017). Desenvolvimento profissional de professores em São Tomé e Príncipe: um estudo em torno da formação contínua promovida no quadro do projeto Escola +, fase II. Indagatio Didactica, 9(4), 45–63.

Santos, L., Teixeira, M., Fonseca, A., Fernandes, E., Sousa, I., Sousa, A. L., … Vasconcelos, A. (2016). Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa - Guia de apoio. Formação Contínua. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / República Democrática de São Tomé e Príncipe.

São Tomé e Príncipe. R

elatório de análise sectorial em educação. (2018). São Tomé, São Tomé e Príncipe.

Suassuna, L. (2012). Elementos para a prática da avaliação em língua portuguesa. Perspectiva, 30(3), 1125–1151.

UNESCO. (2015). Education for All 2000-2015: achievements and challenges; EFA global monitoring report, 2015. Paris: UNESCO. Retrieved from https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000232205

Vieira, F. (2011). A experiência educativa como espaço de (trans)formação profissional. LINGVARVM ARENA, 2, 9–26.

Zabalza, M. (1994). Diários de aula. Contributo para o Estudo dos Dilemas Práticos dos Professores. Porto: Porto Editora.

Legislação

Despacho n.º 17/GM-MECCC/2018. Criação do Gabinete de Formação Contínua e em Exercício. Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação da República Democrática de São Tomé e Príncipe.

Lei n.º 2/2003. Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República, 7, de 2 de junho de 2003, pp. 105-118. São Tomé e Príncipe.

Lei n.º 4/2018. Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República, 14, I série, de 18 de fevereiro de 2019, pp. 115-137. São Tomé e Príncipe.




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v10i1.200

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.