As atitudes dos alunos para com a Matemática: Um estudo em duas turmas do 6.º ano do Ensino Básico

Sara Andreia Ali Monteiro, Margarida Amaro Teixeira Rodrigues

Resumo


O presente artigo[1] irá incidir sobre um estudo realizado ao longo do ano letivo de 2017/2018, no âmbito da “Prática de Ensino Supervisionada II” do Mestrado em Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico e de Matemática e Ciências Naturais no 2.º Ciclo do Ensino Básico. Este estudo teve como objetivo conhecer as atitudes dos alunos de uma turma do 6.º ano do ensino básico para com a Matemática antes e após o período de intervenção, de modo a compará-las e a compreender que aspetos da prática interventiva podem ter influenciado eventuais mudanças de atitude. Para tal, optou-se por uma metodologia quantitativa e, como método de recolha de dados, foram aplicados questionários, com itens fechados e abertos, antes e após o período de intervenção, assim como foram realizadas entrevistas aos alunos que mais diferenças mostraram entre estes dois períodos. Embora não se tenha verificado uma diferença significativa na atitude dos alunos para com a disciplina, em termos gerais o grupo evoluiu no que diz respeito a este domínio. Os resultados, para além de mostrarem que os alunos se sentem mais apoiados quando estão mais professoras presentes na sala de aula, também evidenciam que o tipo de atividades que foram desenvolvidas durante o período de intervenção – atividades exploratórias com recurso a materiais manipuláveis – também constituem uma motivação extra para que os discentes se envolvam no trabalho matemático em sala de aula.


[1] O presente artigo constitui-se numa versão ampliada da comunicação realizada para o IV Encontro de Mestrados de Educação e Ensino que decorreu em novembro de 2018 na Escola Superior de Educação de Lisboa.


Texto Completo:

PDF HTML

Referências


Ana, H., & Brito, M. (2017). Atitude e desempenho em Matemática. Família, 31(58), 590-613.

Arshcraft, M. H. (2002). Math anxiety: Personal, educational and cognitive consequences. Current Directions in Psychological Science, 11(5), 181-185.

Auzmendi, E. (1992). Las actitudes hacia la matemática-estadística en las enseñanzas media y universitária. Características y medición Bilbao: Mensajero.

Brígido, M., Carrasco, A. Mellado, V., & Nieto, L. (2010). The effective dimension of learning and teaching mathematics and Science. Consultado a 2 de fevereiro de 2018, em

https://www.researchgate.net/publication/268740440_The_effective_dimension_of_learning_and_teaching_mathematics_and_science.

Brito, F. (2011). Psicologia da Educação Matemática. Educar em Revista, 1¸ 29-45.

Cação, R. (2010). Testes estatísticos. Consultado a 2 de maio de 2018, em

https://pt.slideshare.net/rosariocacao/testes-parametricos-e-nao-parametricos-3396639.

Dawson, C. (2009). Introduction to Research and Methods: A pratical guide for anyone undertaking a research project. Oxford: How to books.

Goldin, G., Rosken, B. & Torner, G. (2009). Beliefs – no longer hidden variable in mathematical teaching and learning processes. In J. MaaB & W. Schlogmann (Eds.), Beliefs and attitudes in mathematics education. New research results (pp. 1-18). Rotterdam: Sense Publishers.

Grootenboer, P., & Marshman, M. (2016). Mathematics, affect and learning: Middle school students’ beliefs and attitudes about mathematics education. Berlim: Springer.

Hawera, N., Taylor, M. & Young-Loveridge. (2006). Student’s perspectives on the nature of mathematics. In P. Grootenboer, R. Zevenbergen, & M. Chinnappan (Eds.). Identities, cultures and learning space, pp. 583-590. Canberra, Australia: Merga.

Hill, A. & Hill, M. (2012). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Ma, X., & Kishor, N. (1997). Assessing the relationship between attitude toward mathematics and achievement in mathematics: A meta-analyses. Journal fr research in mathematics education, 26(1), 26-47.

MaaB, J., & Schlogmann, W. (2009). Beleifs and attitudes in mathematics education: New research results. Rotterdam: Sense Publishers.

Maroco, J., & Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do Alpha de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas. Consultado a 3 de maio de 2017, em

https://publicacoes.ispa.pt/index.php/lp/article/viewFile/763/706

Maroco, J. (2003). Análise estatística com utilização do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.

NCTM. (2017). Princípios para a Ação: assegurar a todos o sucesso em Matemática. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Pehkonen, E., & Torner, G. (1999). Teacher’s professiona development: What are the key factos for mathematics teachers to change? European Journal of Teacher Education, 22, 259-275.

Philipp, R. (2007). Mathematics teacher’s beliefs and affect. In F. Lester (Ed.), Second handbook of research on mathematics teaching and learning (pp. 257-317). Charlotte: Information Age Publishing Inc., & NCTM.

Quivy, R. & Campenhoudt, L. (1992). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Sociedade Portuguesa de Ciências de Educação (2014). Carta Ética: Instrumento de regulação ético-deontológico. Lisboa: SPCE.

Torner, G., & Pehkonen, E. (1999). Teacher’s beliefs on mathematics teaching – comparing different self-estimation methods – A case study. Consultado a 20 de janeiro de 2017, em

https://duepublico.uni-duisburg-essen.de/servlets/DerivateServlet/Derivate-5246/mathe91999.pdf

Vilelas, J. (2009). Investigação: O Processo de Construção do Conhecimento. Lisboa: Edições Sílabo.

Watt, G. (2000). Measuring attitudinal chamge in mathematics and English over 1st year of junior high school: A multidimensional analysis. The Journal Experimental Education, 68(4), 331-361.

Zan, & Di Martino (2007). Attitude toward Mathematics: Overcoming the positive/negative dichotomy. The Montana Mathematics Enthusiast. Consultado a 3 de fevereiro de 2018, em

https://researchgate.net/publication/228759042_Attitude_toward_mathematics_Overcoming_the_positivenegative_dichotomy




DOI: https://doi.org/10.25757/invep.v10i1.189

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2020 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.