A reorganização do espaço e dos materiais pedagógicos: favorecer a participação e as escolhas de um grupo de crianças

Cristina Reis, Cristina Parente

Resumo


Na Educação Pré-Escolar os espaços são geridos de forma flexível e, como tal, não seguem um modelo único de organização, competindo assim, ao educador de infância organizar, observar e refletir sobre o ambiente físico de aprendizagem.

A valorização da participação e da escolha da criança na infância adquire um significado relevante para os educadores que adotam uma abordagem de aprendizagem ativa, uma vez que, a criança tem oportunidade de escolher e manipular materiais, de refletir sobre as suas ações, de comunicar o que está a fazer com o apoio de um adulto. Escutar as crianças torna-se, assim, essencial para conhecer o que a criança está a fazer, sentir ou pensar e favorecer a sua participação, como por exemplo, na reorganização do ambiente físico da sala a ajuda-la a estender e ampliar as suas ações para construir novos conhecimentos sobre a realidade.

Nesse enquadramento, tendo como referencial a abordagem metodológica da investigação-ação, foi desenvolvido com um grupo de vinte e quatro crianças com três anos de idade um Projeto de Intervenção, que teve como objetivo compreender de que modo a reorganização do espaço e dos materiais pedagógicos poderá favorecer a participação e as escolhas de um grupo de crianças. Os dados foram recolhidos através da observação direta, de registos áudio e vídeo que documentavam a ação e as falas das crianças no processo de reorganização do espaço e dos materiais. A análise e interpretação da documentação pedagógica suportou o desenvolvimento do processo.

O estudo realizado permitiu constatar que reorganizar o espaço, com a participação das crianças promove não só a sua independência e autonomia como apoia a criança a pensar criticamente sobre eventuais problemas que poderão encontrar. Permitiu ainda, compreender que a longo prazo, promove os diferentes tipos de jogo da criança, uma vez que este se torna mais intencional, diverso e rico pedagogicamente.


Texto Completo:

PDF

Referências


Bruce, T. (2006). Developing Learning in Early Childhood. London: Sage.

Calheiros, M. & Piscalho, I. (2013). Que fazeres… um percurso de reflexão na ação na formação inicial. 27. (pp-257-282).

Cardoso, A. P. (2014). Inovar com a Investigação-Ação: Desafios para a Formação de Professores. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Domènech, J., & Viñas, J. (1997). La organización del espacio y del tiempo en el centro educativo. Barcelona: Editorial GRAÓ, de Serveis Pedagògics.

Hohmann, M., Banet, B. & Weikart, D. (1995). A Criança em Acção. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Hohmann, M., Weikart, D. & Epstein, A.S. (2008). Educating Young Children: active learning practices for preschool and child care programs. Ypsilanti: High-Scope Press.

Lino, D. (2005). Da formação escolar à formação em contexto: um percurso de inovação para a reconstrução da pedagogia da infância. Dissertação de doutoramento. Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Lino, D. (2014). A Qualidade do Contexto na Educação de Infância Perspetivada através da Escolha e do Envolvimento. Nuances: Estudos sobre Educação, 3 (25), 137154.

Luís, J. F. Andrade, S. & Santos, P. C. (2015). A atitude do educador de infância e a participação da criança como referenciais de qualidade em educação. Revista Brasileira de Educação, 61 (20), 520-541.

Malavasi, L. & Zoccatelli, B. (2013). Documentar os projetos nos serviços educativos. Lisboa: APEI.

Martín, L. (2008). Mirando dentro de la escuela: la organización del espacio y los materiales. In Anton, M. (coord.). Planificar la etapa 0-6. Compromiso de sus agentes y práctica cotidiana. Barcelona: Editorial GRAÓ, de IRIF, S.L. (pp- 185- 209).

Martins, F., Duques, I., Pinho, L., Coelho, A. & Vale, V. (2017). Educação Pré-Escolar e Literacia Estatística: A Criança Como Investigadora. Viseu: Psicosoma.

Oliveira-Formosinho, J. & Andrade, F. F. (2011). O espaço na Pedagogia- em- Participação. In Oliveira-Formosinho, J. (Org.), O Espaço e o Tempo na Pedagogia-em-Participação. Porto: Porto Editora.

Pol, C.M., Fusté, S., Martín, L., Palou, S. & Masnou, F. (2008). Jugando para vivir, viviendo para jugar: el juego como motor del aprendizaje. In Anton, M. (coord.). Planificar la etapa 0-6. Compromiso de sus agentes y práctica cotidiana. Barcelona: Editorial GRAÓ, de IRIF, S.L. (pp- 127- 161).

Rogers, S. (2013). Playing and Exploring. In Moylett, H. Characteristics of Effective Early Learning: Helping Young Children Become Learners for Life. Berkshire: Open University Press.

Silva, I.S., Marques, L., Mata, L. & Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: Ministério da Educação/Direção Geral da Educação.

Zabalza, M. (1996). Didáctica da Educação Infantil. Colecção Horizontes da Didáctica. Madrid: Edições Asa.

Tomás, C. (2007). “Participação não tem idade”. Contexto & Educação, 22 (78), 46-68.




DOI: http://dx.doi.org/10.25757/vol1

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2019 Da Investigação às Práticas: Estudos de Natureza Educacional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.